sexta-feira, dezembro 24, 2010

Natal entre nós

A dificuldade de se dizer que ama do jeito certo...
O sorriso falso quando se quer chorar na frente de alguém amado...
Mas...
Mas é Natal...
É Natal e eu sinto sua falta.
As luzes me lembram seus olhos, e esse amor guardado preso na minha garganta...
À meia-noite, estarei olhando as estrelas, nossas estrelas.
Conto que, como sempre, você também estará olhando-as.
As estrelas vão te trazer pra mim...
Eu vou torcer pra conseguir guardar meu presente pra você, assim como você sempre guarda o meu.
Mas diferente de você, só darei se passar ao menos um Natal comigo, só um.

Borboletas para sempre,
Lívia.

quarta-feira, dezembro 08, 2010

Da próxima vez que eu te ver...

Da próxima vez que eu te ver, juro que vou tentar segurar a vontade de te beijar.
Da próxima vez que te ver, não vou deixar tão óbvio que é fácil pra mim te amar.
Da próxima vez que eu te ver, espero não rir feito boba.
Da próxima vez que eu te ver, não vou amaldiçoar a distância entre a minha e sua boca.
Da próxima vez que eu te ver, me lembrarei de não me arrepiar ao tocar sua mão sem querer.
Da próxima vez que eu te ver, não vou me irritar porque não posso abraçar você.
Da próxima vez que te ver...


Da próxima vez que eu te ver, eu vou te abraçar forte!
Da próxima vez que eu te ver não vou conter meu apego!
Da próxima vez que te ver, vou te beijar e tirar teu fôlego!
Da próxima vez que eu te ver, eu vou fazer minha sorte!
Da próxima vez que eu te ver...

Bem...
Da próxima vez que eu te ver... Eu vejo o que eu faço...

terça-feira, novembro 23, 2010

'Se coloque' no seu lugar!

Seu tolo coração te diz que ainda te quero...
As pessoas tolas lhe dizem que ainda te quero...

Não creia nelas, creia em mim, que sou mais tola que todas, mas esperta o suficiente pra saber:
Não te quero mais.
Seus olhos já não brilham nos meus,
sua boca já não é mais vermelha,
seu sorriso me é indiferente
e eu jamais preencheria minha boca com a sua língua....

Como diz uma grande amiga minha:
'Se coloque' no seu lugar!

Sendo extremamente sincera...
Borboletas para sempre,
Lívia.

quinta-feira, novembro 18, 2010

Verdades sobre a profundeza de um oceano negro.

Eu sou um ser humano semi-deplorável, com as partes negras à solta, me lembrando que sou fraca e repulsiva.
Que eu brinco com seus sentimentos como com dados coloridos de Monopólio, e em alguma das minhas crises infantis, eu jogo no chão com força e quebro em milhares de pedaços, porque eu penso que posso arrumar outros quando quiser...
Você não merece isso, nada disso.

Sou a criança birrenta, menina-mulher que se perde em suas próprias fantasias pueris, como diz Porto.
Sou uma alma de mulher cruel, que dança como rameira diante dos teus olhos apenas para ter o prazer de cuspir em seu sorriso.
E a cada passo que dou, perco um pedaço a mais da minha parca humanidade, um pouco mais da minha consciência...


Me perco no meu próprio vazio...

quarta-feira, novembro 17, 2010

Linhas...

Fazia tempo que eu não lembrava o quanto eu era feliz com você...
O quanto seu sorriso me deixava alegre.
O quanto eu perdi quando você se foi.
Acontece que você levou um pedaço do meu coração, e me deixou com o seu.
Apesar de eu amá-lo ter aqui, ele não repõe a minha parte perdida...

Me lembrei hoje de você, e percebi meu egoísmo.
Você me deu seu coração inteiro, e provavelmente não usa o meu para não machucá-lo, então deve viver como um zumbi, às portas funestas do cemitério dos amores perdidos.
E eu aqui, reclamando de uma dorzinha...
Desculpa por isso.
E é por isso q eu te envio teu coração de volta, e te peço que não devolva meu pedaço.
Como uma prova de amor à você, junte de novo o seu ao meu, e se sinta como eu me senti por tanto tempo...
Completa...
E muito em breve eu juntarei nossos sorrisos, sorrisos de um amor altruísta, como você, como seu dono...

quarta-feira, novembro 10, 2010

Blá bla blá!

A Kesha...
Bom, ela é incrível...
Ela é linda, legal, divertida, não se preocupa com a opinião de niguém...
Ela é simplesmente todo o meu lado mal, só que bom...
Mas não creio que um dia se eu chegasse vestida e agindo feito ela num hospital eu seria bem vista...
E é isso que me entristece... Só um pouco, porque afinal, fora do hospital e com meus amigos eu posso ser quem eu quiser, não é?
Borboletas para sempre,
Lívia?

Deixe as letras falarem por mim...

"Você se sente tão só e imperfeita
Você deita aqui quebrada e despida
Meu amor está
Apenas esperando
Para vesti-la em rosas vermelhas"
 
"Eu sou o filho
Eu sou o herdeiro
De uma timidez que é criminalmente vulgar
Eu sou o filho e herdeiro
De nada em particular

Você cale a boca
Como você pode dizer
Eu faço as coisas do modo errado?
Eu sou humano e preciso ser amado
Assim como todo mundo faz.
"

"E no decorrer dos meses
Já não sei mais nem quem sou

E a pessoa

Refletida
No espelho
Dos seus olhos
Por onde foi que entrou?

E se você não me quiser

Eu vou respeitar, eu vou
Vou no duro
Mas saiba que sou um homem só
E que o meu amor
É puro
"
 
Deixe as letras falarem por mim...
E que cada gota de suor e lágrimas, que eu colocar em palavras,
te mostre que no fundo desse poço escuro, tem uma pessoa se afogando.
Só se agarrando na bóia.

Borboletas para sempre,
Lívia.

segunda-feira, novembro 08, 2010

Tédio

Falta emoção boa na minha vida...
Tanto é que estou aqui, sem idéia para escrever algo criativo...
É, minha vida anda um tédio...
Borboletas para sempre,
Lívia.

domingo, novembro 07, 2010

Desabafos desta escritora

Sinto que me faltam sentimentos...
Esse não sentir é o que me faz sofrer...
Em cada frase que eu escrevo,
Falta um pouco do doce do prazer.

Como um som desafinado de um violão
ou um quadro borrado,
sinto que em minhas palavras
faltam alguem tipo de agrado.

Sinto minhas palavras se perderem,
como um mudo num mundo de cegos.
Eu aceno e tento explicar
mas tudo está demasiado quieto.

Tudo que está aqui dentro,
deve ser posto pra fora.
Mas isto parece que não quer sair,
que está preso a um agora.

Cada dia que se passa,
fico mais preocupada.
Com cada linha que eu escrevo
e não consigo dizer nada...


Não sei se é por covardia,
ou se é por falta de prosaica.
Mas cada dia mais vou tentar,
dizer o que pensa esta mente arcaica.

sábado, novembro 06, 2010

Essa música é que eu canto melhor... Também é a única que eu canto até o fim...

Tô com saudades de você, debaixo do meu cobertor
De te arrancar suspiros, fazer amor
Tô com saudades de você, na varanda em noite quente
E o arrepio frio que dá na gente
Truque do desejo
Guardo na boca, o gosto do beijo.
Eu sinto a falta de você, me sinto só

E aí?
Será que você volta?
Tudo à minha volta é triste
E aí?
O amor pode acontecer de novo pra você
Palpite

Tô com saudades de você, do nosso banho de chuva
Do calor na minha pele, da língua tua
Tô com saudades de você, censurando o meu vestido
As juras de amor ao pé do ouvido
Truque do desejo
Guardo na boca, o gosto do beijo
Eu sinto a falta de você, me sinto só,

E aí?
Será que você volta?
Tudo à minha volta é triste
E aí?
O amor pode acontecer, de novo pra você
Palpite

http://www.vagalume.com.br/vanessa-rangel/palpite-2.html#ixzz14Xee8P

quinta-feira, outubro 21, 2010

Animaizinhos! *_*

Quando eu pareço me esquecer quem eu sou, as pessoas me fazem questão de lembrar...
Nunca vou me esquecer do meu primeiro passarinho, de como chorei quando ela morreu, ela era tão linda e azul... E foi tão marcante que esta deixou de ser minha cor preferida...
Eu acho que eu sou muito boba, sabe?
Sei lá, eu sempre espero que um dia eu vá crescer e deixar de ser coração-mole e moleca... Mas uma pequena parte de mim, que é briguenta e bate mais forte que as outras, quer que eu continue assim, me lembrando das penas fofas daquele pelouquinho(é assim que se escreve) que mal sabia piar...
Que se lembra de cada "papinha" que teve que fazer pra cada um dos peloucos subseqüentes, e de como eles nascem peladinhos e sem saber mastigar, do papo transparente deles, e como cada um tinha apenas um dedinho mínimo de comprimento, mesmo naquela época que meu dedo era menor, cada piado triste e lamentado porque a mçae não sabia alimentar. E lá íamos eu e minha mãe ficar meia hora dando comida no conta-gotas beeem devagar e depois ficar massageando o papo até eles digerirem direitinho, depois enrolar eles num paninho e botar de volta, e ficar mais uma hora vendo se a mãe não rejeitava os coitados... Ou quando foi a Poli que era aleijadinha e tínhamos que ensinar ela a se virar na gaiola cheio de bichinhos violentos... Ou quando eles cantavam pela primeira vez... Cada asa machucada com trocas diárias de curativo e sanativo, cada gripe ou tosse e tratamento com folhinhas medicinais, cada desequilibrio de cálcio e as doses matinais deste... Eu amava cada um deles, e chorei em cada morte...
Eu sou uma boba mesmo...
Mas sabe o que me faz ser tão boba?
Porque eu consigo amar de verdade tudo que é vivo (vivo de todas as formas) neste mundo lindo...
Não tenho muita esperança nas pessoas, pois sei que a maioria está muito preocupada sendo imbecil pra ver algo além do umbigo, mas o reino animal é utópico pra mim, ao menos na forma em que ele se desenha (porque essa é a palavra certa, por ser tão profunda e bela) em suas virtudes...
Termino isto com uma foto que quer dizer tudo o que disse aqui...

Estrelas

Ela anda pela cidade com o mp3 no ouvido, escutando aquelas músicas que sempre fazem ela chorar...
Ela passa pela praça e se senta num banco velho e sujo pelo tempo, mas ela não se importa, nunca se importava com aparência quando não tinha ninguém por perto...
Olha os brinquedos e se lembra de uma época mais simples, fica encarando aquilo como se fazendo isso com muita força e concentração, pudesse voltar no tempo, ou ao menos resolver alguns de seus problemas. Enão o vento bateu em seu rosto, frio, seco e cheio de poeira, e tossindo percebeu que era bobagem...
Deitou-se no banco, olhando as estrelas... Sabia que era perigoso demais ficar ali àquela hora, mas ela também nunca se preocupou com isso... Via que as estrelas daquele céu estavam desaparecendo com o tempo, com o crescer da cidade, e ela gargalhou da ironia... Como ela, a cidade crescia, e ficava mais estranha e sem brilho.
Queria ver as estrelas de novo, então ela fechou os olhos, e pediu que algo a levasse dali, lhe trouxesse quem era de volta... Às chongas o mundo idiota que tinha feito ela daquele jeito, às chongas ela que tinha se deixado levar...
Ela só queria aquela garotinha de volta, e queria que o cheiro de verde e o frio da noite matasse tudo estranho que agora havia dentro dela, mesmo que aquilo a matasse, porque ela não sabia mais quem era, e isso pra ela era pior do que qualquer coisa...
E ela se levantou e foi embora, tão logo viu que tudo continuava igual, e que cada minuto a mais que passasse naquela praça, mais ela se sentiria mal...
Coçou os olhos que ficaram algum tempo fechados e sentiu algo molhado... Lágrimas... Ela sorriu, um dos seus grandes sorrisos, apesar de ter um toque de amargura, que agora parecia presente eternamente na sua vida... Riu porque em algum lugar no fundo, ainda tinha um pedacinho daquela garotinha... Pena que ela não conseguia alcançar tanto quanto desejava...
Perdeu-se no caminho, e nunca mais encontraria a garota que chorava e chamava por ela. Queria correr, mas tudo que sabia fazer era sorrir daquele jeito mentiroso. Abraçar daquele jeito imperfeito e chorar profundamente por coisas irrelevantes.
E voltaria a ser aquela mullher sem-graça de sempre, com sua vida complicada e feia, assim como o céu sem estrelas daquele parque...
Pensando nisso foi embora, deixando cheiro de flores no ar, e uma saudade inexistente porque parecia que havia se congelado, e pra ela, nada importava mais de verdade há muito tempo...

terça-feira, outubro 19, 2010

Cafageste.

Homens podem ser tão cachorros quanto dizem...
Explicação:
Conheci um carinha bem legal, divertido e tudo aquilo...
Começamos a conversar no msn e por msgs, tudo sempre divertido e flertivo...
Confesso que ficava achando que não estava dando valor o suficiente porque não GOSTAVA dele... Ele só era um cara bonito e divertido, sempre conversávamos bobagens simples, mas era, pra mim, tudo muito superficial. Não que eu o achasse superficial, mas simplesmente não queria algo muito profundo com ele... Ele era um carinha divertido que me fazia rir, e ele sabia disso... Me pediu algumas vezes pra sair comigo, tomar um sorvete, o que em linguagem de paquera nunca significa só tomar um sorvete... Sou inocente, naum sou completamente tapada...
Num dia fatídico dessa semana eu estava olhando algumas coisas na internet que temos em comum, alguns sites que nós somos inscritos e talz...
E num deles, o qual eu sabia que ele tinha mas nunca tinha pedido o nome de usuário, eu descobri que ele tinha namorada!
E a coitada era super fofa, delicada, pelo menos pelo que eu vi dela nos sites... Ela não é a menina mais linda da Terra (não que eu também seja) e se eu visse os dois na rua provavelmente pensaria algo como "ela deve ser bem legal, porque não é muito bonitinha" (de certa forma dando mais valor à aparencia para a inclinação dele por ela) (tá, posso estar sendo metida, na verdade nem tem como alguém saber porque não estou dizendo o nome do gajo, mas eu acho que somos igualmente bonitos) (se eu me considerar bonita) (sem mais delongas...), mas simplesmente quero acreditar que isso não foi o motivo pra ele estar pulando cerca tão lindamente...
Em resumo: Ele continua a me convidar pra sair, ela continua não sabendo de nadcom pena dela, e comecei a ignorar e ser fria com ele no msn...
Simplesmente eu acho ridículo botar gaia. Ponto final. Eu não sou santa, eu já namorei e talz, e já senti vontade de ficar com outra pessoa durante. Na verdade foi a pessoa que eu mais senti vontade de ficar em muito tempo. Mas eu não sou egoísta o suficiente pra magoar outra pessoa apenas pela facilidade da situação, porque é isso, facilidade. É difícil E complicado E confuso terminar com alguém porque está a fim de outra pessoa, e resistir às tentações de ficar com alguém que você se sente muito atraído por causa de outra pessoa. Mas viver é isso, é saber que nem sempre o mundo gira no seu umbigo e que magoar alguém TE machuca pro resto da vida...
Sempre se assustando com a capacidade infeliz do ser humano...

Borboletas para sempre,
Lívia.

Novelas e seu proveito real...

É, eu estou sem tv a cabo...
Por este motivo, andei quase-vendo (quase-vendo porque eu sempre estou no computador) uma novela... Acho que devem conhecer... TiTiTi (acho que é assim que escreve). Bom, eu só vejo ela porque um dia eu tava no computador (quase-vendo) e passou um desfile (eu acho) e tinha uns vestidos beeeem legais... Não sei se exprimo meu amor pela moda e desfiles e tudo relacionado o bastante no blog, mas eu so viciada em moda...
Eu achei os vestidos muito bonitos, queria saber quem os desenhou na vida real, porque bem que eu queria comprar um deles (oh, sonho!).
Resumindo... Como eu digo, novela é uma droga, mas de vez em nunca há alguns 30 segundos produtivos por dia, ou semana, ou (em algumas novelas) nunca...

Borboletas para sempre,
Lívia.

Obs: O episódio que falei foi o do dia 18/10/2010, pra quem quer ver o desfile (?) que eu falei...

segunda-feira, outubro 18, 2010

Sobe no salto

Ela abriu a porta do carro e ajeitou a sandália, antes de sair deu uma segunda checada no lápis de olho...
Aquele fim de semana tinha sido decisivo, ela deixara a menina boba pra trás. Agora era uma mulher decidida.
Ela sabia o que queria, ou achava que queria, então tirou quase toda a maquiagem m casa e deixou apenas o lápis...
Chegando lá continuou se sentindo como antes, sentiu sua auto-estima chegar no teto da sala. Distribuiu sorrisos e recebeu vários em troca, principalmente da população masculina do café.
Ela sabia que ele sempre ia ali, e gostava disso...
Então sentou-se, minimamente maquiada, pouca mas sensual. Shorte, blusa, cinto, sempre na moda, e agusava um leve toque de mistério e transbordava sensualidade.
Ela quando o viu fingiu que não o viu, e apenas passou o olhar. Cumprimentou outros caras, comeu e leu revistas, sempre casualmente, interessada nelas, mas já era do jeito dela não perder a pose...
Um cara ficou encarando ela, o mesmo que normalmente olhava de soslaio, ela riu e sorriu pra ele, ele pareceu se derreter ao seu sorriso e por pouco não se levantou pra falar com a desconhecida. Por pouco era a menina desconhecida que estava na mesa com ele hoje, ambos de mãos dadas.
Depois quando ela e seu alvo inicial se levantaram, eles se cumprimentaram e ela falou com ele...
Ela não percebeu nenhuma mudança do lado dele, mas ela sabi que alguma coisa havia mudado nela, algo importante e visível a todos. E, sabe de uma coisa? Era isso que realmente importava pra ela...

segunda-feira, outubro 11, 2010

Complicado

Acho que viver se define em uma palavra: Complicado.
Principalmente pra mim, que acho que inconscientemente, invento de complicar mais ainda tudo, até as pequenas coisas...
Não sei se é algo inerente a mim, ou se talvez são as minhas escolhas, mas a cada dia que passa me sinto entrando mais numa teia. Me prendo, me enrosco e me grudo mais e mais no destino inevitável e indesejado de uma coisa que eu não escolhi, e tudo que eu escolho, como a Alice correndo atrás do coelho branco, cada vez mais longe, por escolha do próprio coelho...
Acho que o problema foi terem me dito uma vez: Você escolhe seu próprio destino.
Me perdoe, mas quanto mais o tempo passa, mais eu percebo a mentira nessa frase, mais me magoa que, cada vez que eu escolho algo que quero, aquilo se torna mais idílico, e eu penso que há algo de errado comigo, muito errado.
A pior parte do mundo é que nada acontece como se espera, e a vida nunca depende de você. Então só podemos nos esforçar sabendo que nada sairá do jeito esperado, e acabaremos apodrecendo como qualquer matéria viva sem vontade.
Simplesmente as situações propostas na minha vida se tornam mais enfadonhas cada dia que passa, minha matéria viva e desperta ignora meu lado racional que me alerta da inevitabilidade das situações, e eu só posso ser cada vez mais silenciosa e taciturna.
Sinto falta daquilo que eu era antes, da minha inocência à maldade do mundo em si e das pessoas que o habitam, além da do próprio destino, que parece rir de nós, meros humanos, por acharmos que a felicidade pode ser mais do que algumas risadas falsas esparsas durante um jantar, e ao chegar em casa dolorosas lágrimas sobre a ironia da dor em si...
Triste? Deprimente? Bom, eu conheço uma pessoa que sabe exatamente qual lado meu é responsável por escrever algo assim. O veneno da cobra que desce de minhas presas e inunda meus lábios. Acho que antes eu era apenas uma serpe inócua, agora que cresci criei tóxico pra me proteger... Andando à noite `sa procura do próximo buraco, me escondendo nas minhas próprias trevas...
Borboletas para sempre,
Lívia

domingo, outubro 03, 2010

Prece

Deus,
sei que está me escutando.
Eu queria agradecer por estar viva e sorrindo, apesar de sofrer;
por ter quem eu amo vivo e sorrindo também;
por me capacitar fazê-los felizes de vez em quando, pra poder desfrutar do seu sorriso e sua alegria;
por me dar aquilo que eu preciso e o que eu não preciso;
por me dar a oportunidade de possuir aquilo que eu ainda não tenho...
Queria pedir desculpas por ser tão humana e falha,
como quando eu não escuto as Suas palavras na boca das pessoas, nos sorrisos e nos conselhos;
quando eu não sou compreensiva com os erros dos Seus filhos como o Senhor é com os meus;
quando eu me omito ao amor ou à caridade apenas pela conviniência;
quando eu mergulho na escuridão e me esqueço que o Senhor sempre me dá uma luz, nem que, para mim, seja pequena.
Queria pedir também Sua ajuda para ser mais compreensiva e amorosa com meus irmãos, todos eles;
para aprender a amar cada pequeno pedaço de mim mesma, e assim, aprender a amar mais o outro;
para nunca me esquecer que, por mais difícil que seja a tarefa, eu ainda tenho o Senhor como meu professor para me ensinar a fazê-la;
para proteger a quem eu amo, porque não consigo fazer isso sozinha;
para a cada dia aumentar o tamanho do meu amor, aumentando o número de pessoas a quem eu amo,
e o principal: Me ajude a não esquecer nunca quem eu sou e quem é o Senhor, porque são as duas informações mais preciosas da minha vida. Sem elas estaria perdida.
Sua filha que tenta te amar direito,
Lívia.

Borboletas para sempre.

Sinceridade

Um amigo meu me mandou esse questionário, porque ele disse que meu blog tava muito deprê... XD

Um cantor: Jack Johnson
Uma cantora: Leona Naess
Um ator: Johnny Deep
Uma atriz: Audrey Hepburn
Um ídolo: Minha mãe
Um defeito: Timidez
Uma qualidade: Carinhosa(?)
Dois amigos(tive que adaptar essa): Tato e Brunno
Duas amigas(também tive que adaptar essa): Prii e Rosy
Um livro: Clarissa
Uma música: Muitas, principalmente Lilly Allen, Marron Five, Jamie Cullum, The All-American Rejects e os outros cantores já citados...
Uma paixão: Várias. Todas ligadas a artes(música, pintura, teatro, livros... tudo)
Uma necessidade: Comer.
Um amor: Segredo.
Um segredo: Eu não sou nem um pouco do jeito que você imagina...
Uma verdade: Eu não preciso te amar ou até mesmo gostar de você para ser gentil e educada com você.
Uma mentira: É muito legal ser alta.
Beijo: Apaixonado, longo e intenso.
Selinho: Falta de atitude.
Abraço: Gentileza
Ódio: Não existe quem mereça.
Pra te conquistar: Tem que ser diferente de todos, ser gentil e ter brilho.

Até que foi divertido ser sincera.

sábado, outubro 02, 2010

Defeitos?

Eu sou careta, muito.
Desculpa se eu não fico com você só porque estamos solteirose héteros numa boate, você pode ser lindo, mas eu não sou esse tipo de garota.
Desculpa se você tem ciúme de mim, mesmo que a gente nunca tenha ficado, mas eu gosto de me sentir livre, mesmo que não use essa liberdade pra nada...
Desculpa se eu não gosto de iludir você, porque eu gosto de você ou simplesmente porque eu não quero te magoar.
Desculpa por ser tímida, tanto que não consigo olhar pra "alguém" sem ficar, no mínimo, vermelha.
Desculpa se eu sou teimosa, por te querer mesmo você não me querendo.
Desculpa, principalmente, por não sentir culpa alguma por isso, e assim invalidar qualquer desculpas que eu esteja dando aqui. Mas eu sou assim, goste ou não eu sou assim, eu sou teimosa, tímida e antiquada, e não creio que vou mudar por nada.
Mas se eu fosse você eu dava uma olhada por trás de tudo isso, porque já me disseram uma vez que eu sou mais legal quando se conhece...

Borboletas para sempre,
Lívia.

segunda-feira, setembro 27, 2010

Lágrimas...

E a menina abriu os olhos pro mundo de vez, e dessa vez perdeu grande parte da sua inocência. Percebeu o quanto as pessoas são maldosas, o quanto um momento infeliz pode ser usado contra ela e como a vida pode ser triste às vezes... O quanto ela às vezes só quer um colo da mãe e chorar desconsoladamente, porque ela simplesmente não entende porque tudo é tão complicado...
Ela quer que tudo se resolva, que ela sorria de novo de verdade, faz tempo que ela não sorri.
Traz meu sorriso de volta, mundo, me traz de volta... Pior que apesar de todos os motivos, a menina não entende porque o sorriso foi embora. Ela sempre sorriu, apesar de tudo. Mas hoje ela não sorri mais... Ela só queria chorar um pouco, mas aparentemente não tem mais tempo pra isso...
Queria a menina ter tempo para lágrimas...

sábado, setembro 25, 2010

Romance

Não sei se já citei sobre meu estilo preferido de livro( e se vocês ainda não notaram pelo que eu escrevo): Romance Romântico.
Acho muito bela a forma do autor retratar os sentimentos, o amor principalmente. O jeito dos personagens se dedicarem um ao outro de forma completa e mesmo assim conseguir multiplicar sua vida. A forma como o mundo abraça os amantes, mesmo contra tudo, de certa forma o sentimento vence, porque ele é marcado nas páginas e é sempre o que mais importa.
Eu acho tudo isso lindo e louvável, terminei de ler mais um livro romântico e me peguei pensando na personagem principal... Era uma garota metida que acabava se apaixonando por um garoto metido e os dois deixavam de ser metidos(bla bla bla)... O livro não foi lá essas coisas, mas é sempre a mesma história: menina se apaixona por menino e vice-versa e eles mudam juntos e não conseguem parar de pensar no outro e ficam juntos para sempre... Mas e a garota que não se imagina mudando por alguém nem dedicando sua vida inteira a outra pessoa? Essa garota tem apenas que se conformar que nunca será a protagonista de uma história de amor...
Não desejo o amor com todas as forças da minha alma. Eu já amo. Amo minha mãe e mais algumas pessoas da minha vida. Mas não sei, parece linda essa coisa de amor romântico... Acho que é mais curiosidade do que desejo... Mas, como dizem: A curiosidade matou o gato!
Borboletas para sempre,
Lívia.

quarta-feira, setembro 22, 2010

DESPENTEIAAAAAAAAAAAAAA-AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA!

É complicado me ver com o cabelo perfeitamente penteado quando está solto... Raramente faço escova, o pentear meus cabelos do jeito que eles são, cheios de vida(cheios é a palavra ideal) e rebeldes como quem os têm. Adoro sentir o vento no meu rosto e jogar minha cabeça pra trás e senti-lo balançando... É uma sensação realmente incrível... Porque tudo que é bom, despenteia. Um bom beijo, um bom abraço, sair com os amigos, dançar, apenas correr na direção do sol...
Acho que a maioria das pessoas me considera mais bonita meticulosamente penteada, mas, e quem liga? Eu anseio viver a vida despenteando cada vez mais meus cabelos. Portanto, pessoal, despenteia e me deixem despenteada!
Alguma foto minha com o meu cabelo perfeitamente arrumado? Te desafio a encontrar...
 
Borboletas para sempre,
Lívia.
re-cortecultural.blogspot.com

terça-feira, setembro 21, 2010

Posso dizer que te quero bastante...
É teu cheiro, teu sorriso, o teu jeito, ou algo mais?
Sinceramente não sei, mas é alguma coisa...
Acho que é isso...
Eu te quero e não consigo parar de imaginar você e eu.
Isso está me deixando nervosa...
A sua boca é realmente lasciva, ou é seu sorriso...
Affe!
Não importa!
bubukawords.blogspot.com
Só sei que te quero...

sábado, setembro 18, 2010

Segunda parte

Ele entra pelo quarto cheirando a sabotene enquanto ela, deitada na cama dele com o lençol cobrindo o corpo e o travesseiro no rosto se lembra que meia hora antes estava apenas reclamando da péssima programação da televisão e agora estava nua na cama do namorado...
-A luz tá incomodando? Quer que eu desligue? Dá pra eu trocar de roupa no escuro mesmo... -Ele
-Nãaaaoooo. Não tá incomodando. -Ela
-Então porque você tá apertando esse travesseiro na cara?
-Por nada...
-Você está arrependida? - disse ele, com um olhar dolorido e aflito na cabeça baixa.
-Claro que não! -Disse boquiaberta.
-Então o que foi? Não gostou de...?
Quando ela entendeu exatamente o que ele dizia ela transformou a surpresa em carinho.
-Bem, se esse é seu jeito sutil de perguntar se foi bom... Bom, não tenho experiência suficiente, na verdade nenhuma, para comparar. Mas eu acho que não... -A expressão dolorida dele se tornou mais intensa durante a pausa dela- ...Não sei nem descrever, então vou usar um "perfeito" ou "maravilhoso"...
O sorriso dele apareceu de novo enquanto levantava o rosto para olhar o dela, um sorriso desconhecido para ela, malicioso e com um toque de prazer, que fez ela corar e jogar o travesseiro de volta no rosto.
-Sério, por que você está desse jeito?
-Bem -disse ela tirando a almofada- é que eu... Eu tô com vergonha... -disse ficando vermelha (e linda pra ele) e colocando o travesseiro no rosto, para, como ele descobria, esconder a vergonha..
Então ele sentou-se na cama ao lado dela, tirou o travesseiro e a beijou. Carinhoso e sedutor, com uma paixão forte o suficiente para fazer ela se sentir segura, amada e, por incrível que parecesse pra ela, ainda desejada. Quando ele parou, ambos estavam sem fôlego.
-Por que ter vergonha de mim? Se devesse ter alguém com vergonha, seria eu, porque simplesmente não consigo parar de querer você... -disse isso levando a mão ao rosto dela e afagando suavemente- Tão linda...
 Levando a mão depois ao pescoço, descendo ao seu corpo, contornando as curvas por cima do lençol, maravilhado pelas formas e sombras. Ela se encantava com a expressão dele, como que deslumbrado, e crescia seu carinho por ele. Enquanto ela mesma o observava, seu abdômem desenhado, não como de academia, mas muito mais que um homem normal, braços fortes, costas largas e bem-desenhadas, era difícil resistir ao impulso de tocar, sentir como era mais uma vez o toque da pele dele. Então ela se levantou e o abraçou, sentiu o calor dele, o cheiro de perfume que era uma mistura boa de praia e loja de roupas.
Quando ele retribuiu o abraço, ela percebeu que o tecido entre eles tinha deslizado até sua cintura, estavam os dois em contato de novo, os arrepios de novo por toda a pele...


Continua...

 -
Ele é Diego, ela é Laila. Tudo começou com um sorriso para uma amiga, que se tornou um abraço para um amigo, que se tornou um beijo num novo amor... Mas para quê falar do passado? O importante na história é que eles não têm passado, não mais, não a partir do ponto que o sorriso se tornou abraço e beijo.
Este é um exceto meu, da Narradora, intervir na história. Porque romance não seria um romance sem alguém para contar.
Dou-me o trabalho de contar essa história de romance (ou de amor) porque é a mais linda que já ouvi, não por ser perfeita em extremismos, ou por ser empolgante em suspense e brigas. Essa história é linda porque o amor é demonstrado por ser, não aquilo que a maioria pensa, mas é mais que isso, mais do que tudo que eu disse...
Complicado, não? Mas ao longo da história você entenderá...
Outra coisa que eu deveria dizer é que eu vou comentar alguma coisa sempre que eu achar relevante, mas na maior parte do tempo vou somente narrar. Portanto não sintam minha falta, sempre estarei presente.

sexta-feira, setembro 17, 2010

Cabe a cada um entender...

Queria escrever algo bem sincero aqui, mas não dá porque ainda deixo meu bebê com acesso público... Vou tentar fazer isso de forma subliminar, para que só algumas pessoas entendam...
Sim, é isso mesmo. Nao posso nada... Parece que tem mente própria (...) não mudo nunca mesmo...
Bem, pra quem entendeu, que bom(e estou morrendo de vergonha). Pra quem não entendeu, que pena, porque se eu falasse com todas as letras eu teria que apagar esse blog...

quinta-feira, setembro 16, 2010

Perfume

O cheiro do seu perfume ainda me deixa inebriada, não que você seja perfeito ou o cara mais belo, mas eu gosto de você, você me faz rir e corar, e seu perfume é qualquer coisa sem sombra de dúvida...

quarta-feira, setembro 15, 2010

Tudo o que eu quero na vida, é tudo que eu quero, um sorriso, uma braço, uma fatia de queijo minas...
Diferente das flores, são os amores que as cores sempre se avivam com o tempo.
A mudança do meu estado de espírito é como um banho de sol após um dia triste e frio de inverno, como a primavera dos meus tempos. Cada dia que passa encontro mais motivos pra sorrir e me encantar com a esperança em mim. Mas, como o sol forma sombras mais fortes na primavera, minhas tristezas e amarguras aumentam a cada dia, me deixando mais consciente de que, como uma criança, quanto mais alto eu grito, mais querem me calar.
Quando foi mesmo que nos disseram pra lutar pelo que queremos? Não lembro se também disseram que eles, os mesmos que nos pediram pra lutar, negariam tudo aquilo que ansiamos... A cada sol novo eu me preocupo com estar ficando mais apática, mais perdida num mundo estranho e sem verde nenhum pra me salvar...
Queria que as pessoas que foram escolhidas pra segurar minhas mãos se preocupassem mais comigo, olhassem mais pra mim, a pequena garotinha perdida no supermercado, tentando encontrar a saída, e com medo desse mundão aí fora, por enquanto eu só choro agarrada com meus bichinhos de pelúcia, rezando, porque a fé é ainda a única coisa que me resta...
Borboletas para sempre,
Lívia

Amor...

Te amo pra sempre e até depois...
Comecei a te amar quando ainda era um bebê, pequeno, fofo e muito aberto à vida, e você se tornou parte do meu mundinho pessoal...
Os anos se passaram, sempre você e eu, mesmo quando meninos odiavam meninas e vice-versa, eu te amava, você era meu único menino, eu era a sua preferida, e eu adorava quando você morria de ciúme do seu irmão mais velho porque ele buscava a gente no colégio e eu era meio apaixonada por ele...
Teve um tempo que a gente se separou... Eu andava triste e você andava sozinho, você repetia no colégio e ficava de castigo e eu simplesmente não conseguia me encaixar, só com você... Sentia muito sua falta e não sabia se você ainda se lembrava de mim, mal sabia eu que você e eu sempre estaríamos ligados, mesmo distantes...
Um dia tudo voltou ao normal, quando nós já estávamos acostumados a passar vários meses sem sequer nos vermos, e quando nós víamos não conseguíamos voltar àquele jeito de antes, tão unidos...
Foi ela, nossa mascote que nos trouxe de volta, com uma simples palavra dela nós saímos juntos, só nós 3, e voltamos ao que éramos, e passamos meses assim, juntos e como antes, e até mais...
Um dia estávamos os 3, naquela sala, a nossa sala, a sala dos 3... Eu tinha dado permissão a ela pra ficar com você, eu não sabia de nada naquela época, era boba demais... Um sorriso, um comercial e tudo mudou, a gente estava como devia, e tudo parecia ter se encaixado no lugar certo no mundo. Eu prometi sorrir, e você prometeu mudar, nós prometemos não nos machucar...
Eu virei você e você virou eu, eu te machucava a cada sorriso e cada cara, e você me machucava porque se importava e nunca dizia o quanto, fingindo ser forte, mas tolice sua, eu via seu sorriso amargurado e me sentia pior porachar que você fazia por não querer... Eu devia ter parado, você devia ter parado de fingir...
Um tempo depois, você que era sempre tão desleixado com os estudos, voou pra longe, pra onde as meninas são fáceis e eu não era dois passos de um abraço. Todo meu mundo desabou em cima de mim, e aguns dias depois eu já tinha secado todas as lágrimas que eu tinha... Estava cansada de conversas pelo Skype e sentia falta do seu sorriso. Mal sabia eu que você também... Melhorei meu inglês, e você também. Você conheceu outras "línguas" e eu também. Você atravessou a linha e eu fiquei deste lado. O pequeno bebê chegou e eu fiquei encantada, mas magoada ao mesmo tempo, e você por um tempo só conseguia pensar em fraldas e mamadeiras e divórcio. E você parou de visitar por uns tempos, me deixando com a mesma bola na garganta que eu tive quando você se foi. Tentei passar meu tempo, me fingi apaixonar, tentei que ele fosse igual a você, gostasse de música e tocasse violão, e fosse engraçado e carinhoso, me conhecesse melhor que ninguém, amasse o que fazia e já estivesse vivendo a vida ao máximo, do jeito que eu considerava o máximo, mas ele não era isso, e eu só conseguia pensar em você...
Chorei por descobrir isso, e você voltou, e eu atravessaria qualquer linha com você e por você, mas você sabia que era errado porque você tinha que voltar e eu ficaria aqui, esperando, você me amava demais pra isso? Cada vez que eu lembrava de você tinah votnade de sorrir e chorar. Então você me chama pra ir com voê, viver a vida e deixar ela viver em mim, não largar nada que eu amo, porque você me ama do jeito que eu sou, com tudo que eu faço, mesmo eu não tendo tempo pra te ver, ou pra ouvir sua voz... E você ainda me quer aí com você, você faria TUDO pra me ter com você...
Mas tudo mudou aqui, eu não posso mudar nada ainda, por mais que eu deseje eu tenho algumas coisas a resolver aqui, antes de ir com você, tudo muda exatamente na hora que eu decido agarrar sua mão e partir... É por isso que eu escrevo isso, pra você saber que eu te amo, mas não posso ir, nem agora nem em muito tempo, muita coisa está em jogo e eu preciso ficar pelas pessoas que eu amo... Sinto muito, mais do que minhas lágrimas possam expressar, mas eu te amo, muito, e um dia eu vou estar aí com você, porque nosso trio não poderá ser o mesmo porque nosso mascote foi raptado, mas você ainda tem a mim. Sinto sua falta sinto sua falta, SINTO SUA FALTA. Meu amigo, meu irmão, meu coração.
Sempre vou me lembrar das nossas borboletas, apesar deque ninguém jamais me entenda quando eu digo o que sempre digo...
Borboletas para sempre,
Lívia.

segunda-feira, setembro 13, 2010

Cabelos presos e soltos

Quando era criança odiava prender os cabelos, pra mim tê-los soltos em meus ombros demonstrava minha aversão a grilhões, eu jogava eles pelas costas e mexia na franja como um medalhão da liberdade de espírito que eu já havia conseguido desde pequena.
Hoje eu uso meu cabelo preso motivo, meu cabelo meio preso meio solto, os fios tocando meu rosto, da forma mais incomum hoje em dia. Meus olhos abertos e minha boca pintada de batom, como uma menina que pega emprestada a maquiagem da mãe.
A menina que deixava o cabelo solto é a mulher que prende, porque não quer se prender ao mundo. Quer o amor e quer amar, quer ser feliz e dar felicidade a quem ela ama, adora sorvete e se acha acima do peso, beija seus amigos no pescoço e diz que ama suas amigas como irmãs, pra sempre.
Quem sou eu agora?
Eu sou o sorriso do gato de Alice, eu sou a cantora menina, que gosta do backing-vocal, eu sou aquela que gosta de Tim Burton e que ainda faz tranças no cabelo,  atrás de borboletas e sobra bolhas de sabão. Eu sou quem ama de verdade se você merecer e odeia de verdade se você não merecer, que fala alto demais, mas gosta de ler e escrever em silêncio...
Borboletas para sempre,
Lívia

Cabou, finalmenteeeee!

Acho que descobri a causa da minha melancolia... (EBA!) Acho que foi a falta de filmes, eu andava vendo poucos e ruins e tirei dois dias para ver filmes direto(direto=nas 3 horas que eu não to tendo aula). Foi MUITO divertido, estou nas nuvens, acho que acabo esquecendo que tenho que viver e ter lazer além das obrigações(em obrigações se inclui muita coisa que aparentemente não é obrigação). Acho que é isso, só posso dizer que estou com sorriso de orelha a orelha e to bem, mas muito e intensamente alegre e a-melancólica(neologismo, UHUL!).
Borboletas para sempre,
Lívia.

domingo, setembro 12, 2010

Melancolia

A melancolia não combina comigo, de jeito algum. Me transforma em algo que eu não sou, algo apático demais, sofredor demais, triste demais... Essa não é minha vida, minha vida é aos sorrisos. No momento não consigo controlar a melancolia, e ela está me deixando irritada. Desculpa às pessoas que eu estou magoando no processo, desculpa mesmo. Vou tentar jogar a melancolia pra PQP e dar mais um sorriso daqueles...
Mas por enquanto dexa eu aqui comendo doce na frente da TV pra ver se me alegro...
Borboletas para sempre,
Lívia.

sexta-feira, setembro 10, 2010

Sou teimosa demais...
Alguém aí me diz por quê?
Aproveita e me diz porque exatamente as poucas coisas pelas quais eu corro atrás são as coisas que eu não consigo, ou consigo tarde demais...
Sério, to procurando respostas que serão bem-vindas, e quanto mais urgentes, melhor...

quinta-feira, setembro 09, 2010

O meu cinza e os meus sons sombrios, tão mais coloridos e alegres do que imagina!

Queria dizer algo sincero sobre mim aqui hoje, acabei postando a poesia, mas ficou faltando um algo mais...
Estou ouvindo várias músicas diferentes, estou encontrando melhor meu estilo, estou me diferenciando...
Lilly Allen, Jack Johnson, Jamie Cullum, Leona Naess. Pop, surf, Jazz e alguma coisa que eu não sei identificar, mas é parecido com Norah Jones(jazz?)...
É interessante me ver evoluindo dessa forma, porque eu acho que se encaixa bem comigo, sou muito do jazz, do soul, da jeito enebriante que a alma se junta com as palavras, formando uma densa nuvem enquanto se canta e toca com a voz macia e aveludada. Acho que faz parte de mim.
Demonstrando minha personalidade... Se eu fosse definir tudo isso de uma forma simples, seria: macio. Que é o que eu ando almejando de mim mesma, a calma e a ponderação nas coisas simples, especialmente no amor, especialmente no cinza-roxo do blog, especialmente na amizade e no carinho...
Então Leave you boyfriends behind comigo, e anda de bicicleta comigo pelo dia ensolarado de verão, com meus vestidos floridos e meus cabelos soltos em quase-cachos lisos e minha maquiagem quase-sem, pinta as unhas de vermelho e dê muitas mordidas em todo mundo que você ama comigo. Diga que ama, muito e a muitas pessoas que você ama. Curta as cores enquanto você é jovem! O blog pode ser cinza, mas para mim é colorido, é apenas o plano-de-fundo de tudo, como a vida em si, se não trabalhada vira algo sem cor, você tem que preencher com o roxo das suas palavras e as outras cores das coisas que você faz dia-a-dia!
Muda comigo, e vive feliz e sorrindo pra sempre!
Vem comigo?
Borboletas para sempre(as belas e azuis e coloridas borboletas para sempre!),
Lívia.

kissofkiss.blogspot.com

Poesia sobre alguém, quem sabe...

Não sei o que sinto.
De repente eu te vejo,
não sinto nada.
De repente eu te vejo,
e sinto tudo que não devo.

Não sei porque isso,
é complicado principalmente explicar...
Só sei que um dia te vi
e tive vontade de te beijar.

Essa poesia pode ser boba,
eu até poderia melhorar.
Encher de rimas ricas
só pra te impressionar.

Mas não farei isso,
porque se você gostar de mim, seu xato,
e me conhece melhor que a maioria
vai saber que eu escrevo a fim de (fato)
fazer com que você sorria...

(Pra quem não entendeu, só último parágrafo foi com rimas ricas...)
http://gustinha.blogspot.com/2010/05/historia-de-manu.html

segunda-feira, setembro 06, 2010

Debruçada na janela no quarto vazio da casa de um amigo, durante uma festa...

Eu vou ser sempre a garota estranha... A que gosta de ficar sozinha no silêncio quando todo o resto está do lado de fora rindo de alguma bobagem e bebendo por algum motivo que ela desconhece. A que gosta de abraçar seus amigos e nunca beijá-los na boca. A que gosta de ficar meditando. A que fala alto, mas não por gostar e sim por ser algo inerente a ela. A que sorri e manda beijos, pra que quem ela gosta sempre saiba disso.
É, essa sou eu... Creio que não vou mudar tão cedo, se contrariando a probabilidade mudar.
Eu gosto de ser quem eu sou. Não ligo por ser diferente. Só ligo quando as pessoas me julgam por isso.
Ora bolas! Deixa-me uns minutos em silêncio! Não força a barra comigo! Não quer dizer que eu não goste de você ou seja enjoada só porque gosto de ficar solitária de vez em quando. Quer dizer apenas que eu gosto de me refestelar com o silêncio. Se aguenta comigo no silêncio, apenas observando o mundo e pensando, vem comigo. Mas se não, apenas não pode embarcar na viagem comigo.
E lá vou eu sempre sendo repreendida por ser como eu sou. Acho que eu cansei disso. Acho que estou à beira de mandar todos tomarem naquele canto. Afinal, todo mundo é diferente e estranho de alguma forma. Deixa-me ser, que assim seremos dois...
(Aguardando ainda alguém que seja como eu, pra gente dividir momentos de meditação juntos... Se estiver aí, me avisa...)

domingo, setembro 05, 2010

Muito mais por trás desse post...

Me afeiçoei demais a isso... A postar. Não é um vício, nem chega perto disso. É mais uma extensão de mim, algo que eu não consigo ser normalmente: A Lívia que escreve, a menina com opiniões e desejos, que sonha e ama e sofre mais do que aparenta e finge para não ser frágil, a pessoa que tem um mundo perfeito na mente e quer que o real seja igual. Esta sou eu aqui, a parte mais escondida de mim. Tanto que só mostro a algumas pessoas, e às vezes me pega de surpresa um amigo que comenta sobre ele pra mim.
Cada pequena mudança nele é uma mudança em mim, um amadurecimento, um sorriso ou um dia feliz que tive, uma briga ou uma decepção. Ele muda comigo, ele me muda, e nós mudamos juntos.
Ele agora não é só mais meu, ele sou eu e não sou eu. Ele vive fora de mim, e isso me assusta.
Vou mudar ele, acho que o layout, colocar algo cinza, esteticamente fica melhor com as figuras quase sempre coloridas que eu amo, e também com o PB...
Quero que ele seja melhor que eu, mais bonito, mais interessante e mais legal...
Mesmo que um dia eu pare de escrever aqui, sempre fará parte da minha vida, sempre será eu...

cafedafranky.blogspot.com/

Qui o in un altro posto, che può essere brutto o bello. Se noi staremo insieme ci sarà sempre un cielo azzurro.

"Aqui ou noutro lugar, que pode ser feio ou bonito. Se nós estivermos juntos haverá um céu azul."
É isso que tem escrito na frase acima... Vi no orkut de um amigo essa frase e tinha que comentar...
Italiano é uma bela língua. Esse tipo de amor é algo invejável, de um jeito bom e sincero. O céu jamais será tão azul quanto quando você o vir pela última vez. A vida passa e é esse tipo de coisa que eu busco. A simplicidade do mundo, um amor forte e verdadeiro, as cores da vida e a busca de um paraíso aqui mesmo onde estamos, nem que seja irreal, mas que nos faça sentir como estar lá...

sábado, setembro 04, 2010

Desejo

É meu estilo mesmo... Eu desdenho o que eu adoraria ter. Não por me achar superior ou algo assim, mas porque chega a ser tão óbvio que eu quero aquilo que ficaria até piegas eu não desdenhar só um pouquinho...
Ando desdenhando algo DEMAIS... ALgo que eu to querendo muito... Por quê? Eu não sei. Mas só posso dizer que queria tanto que ando sonhando com isso...
Mas eu tenho mesmo é que deixar de ser besta e querer outras coisas...
Pior é que eu sou teimosa...
Pra quem sabe o que é que eu estou falando: Sim, eu ainda estou querendo aquilo.
Pra quem não sabe: É melhor não saber...
Link da foto:http://www.imagensporfavor.com/buscar/28/cora%e7%e3o.htm

Borboletas para sempre,
Lívia

sexta-feira, agosto 20, 2010

Primeira parte

Estava realmente confortável naquele sofá, e fazia tempo que ela procurava o confortável, fazia o estilo dela...
Enquanto ela comentava sobre a falta de opção na televisão paga, ele continuava mexendo nos cabelos dela, e depois sentiu vontade de sentir aquele cheiro de novo...
Ela sentia a pele áspera da mandíbula dele na base do pescoço e ficava com arrepios, cada vez mais complicado conseguir formas as sentenças, no meio de um "porcaria" que se tornou um "hmmmmmmm"... Ela sempre sorria quando ele fazia aquilo, era bom demais...
Então ele começou a beijar-lhe o pescoço, o simples contato da base das costas dela no peito dele no sofá fazia sentir arrepios, uma descarga elétrica entre eles, e ele não conseguia pensar em nada muito além deles dois, a vida simples dele, com problemas comuns e o medo constante da pessoa que ele achava ser linda demais deixar ele, ou coisa pior, e ela dos incontáveis problemas sérios dela, que se ele descobrisse alguns poderia começar a vê-la com outros olhos, olhos tristes...
Então ele delicadamente tirou os cabelos dela do ombro, para chegar à nuca dela, distribuindo beijos e indo até os lóbulos da orelha dela...
-Hmmmm... Tá, a tv tá chata mesmo né? Vou desligar...-Ela
-Não tava prestando atenção na tv há muito tempo. Mas queria que você prestasse atenção em mim no momento...-Ele
-S-i-i-i-i-i-m-m-m s-s-s-s-s-s-s-e-n-n-n-n-n-n-h-o-r!
(Risadas dele)
-Interessante ver você assim...
-É-é-é-é-é-é?
-Muito. Extremamente interessante...-Disse ele com uma voz rouca enquanto pegava o controle remoto e desligava a televisão.
Então ela se virou e antes que ele pudesse perceber ela estava beijando ele... Aqueles lábios que ele tanto gostava, os braços dela no pescoço dele, e ele inconscientemente segurou a cintura dela com força, o suficiente pra provocar alguns machucados, mas ela não reclamou, então ele começou a puxar ela pra mais perto, parecia que ele queria que os corpos dos dois se fundissem no abraço, então ele delicadamente subiu os braços pelas costas dela, por dentro da blusa, abrindo o fecho do sutiã dela.
Ela ficou meio assustada, porque o relacionamento deles nunca tinha chegado a esse ponto... E pra ela que nunca tinha feito isso com ninguém era meio amedrontador pra ela... Então ele percebeu que ela estava desconfortável e olhou nos olhos dela.
-Desculpa, é que eu fui pego pelo momento... Não queria que você...
(Silêncio)
-Você está bem? Quer ir embora?
-Não, só que eu... Eu nunca... Você sabe disso...
Ele sempre achava lindo isso dela, o jeito meigo apesar...
-Eu sei, desculpa se te assustei...-Dizia enquanto a beijava pelo pescoço-Prometo que não faço mais...
-Não é isso, é que...
-É que o quê?
-É que eu também "fui pega pelo momento", na verdade eu ainda estou no momento...
E ele pego de surpresa pelas palavras dela e pelos beijos dela que se seguiram. Enquanto ele entendia o que estava acontecendo ela começava a tirar a blusa dele...


- Continua -

terça-feira, agosto 10, 2010

Apaixonar-se

O cheiro de queijo e orégano envolvia o ar, e a fumaça brincava em linhas acima da pizza, enquanto ela queimava as pontas dos dedos porque não podia esperar alguns segundos para a comida esfriar, nem era do tipo que come pizza de talher.
O que impressionou ele foi o modo como ela se portava, que era uma contante nela, a novidade nela que era uma constante... O paradoxo nisso, uma constante na personalidade dela era a inconstância no ponto de vista dele.
Ele nunca tinha ficado tanto tempo com alguém de forma tão simples, claro que ele já teve namoradas firmes, mas todas ele, depois de poucos meses, se irritava e enjoava delas. O problema era ela, aquela garota ali do lado, ela conseguiu fazer cada dia juntos sempre diferente, e o irritava mortalmente porque ele sabia que estava se envolvendo demais, mas não podia evitar... O jeito como ela comia, como um garoto, e o sorriso meigo dela, que parecia o de uma criança, quando repuxava os olhos e levantava o queixo, suas longas unhas pintadas de vermelho, contrastando com a personalidade infantil e expansiva dela, seu perfume de flores silvestres e o jeito que ela parecia sempre pronta a cair ou tropeçar em alguma coisa apesar de sempre querer parecer segura de si, inclusive o jeito impaciente que parecia ser algo inerente à sua personalidade...
Ele estava perdido num mar, onde cada gota d'água era ela, a água que ele sorvia desesperadamente e apaixonadamente...
Estava se apaixonando perdidamente.

domingo, agosto 08, 2010

Corações irmãos

O vento batia gélido nas costas deles, era um momento tenso para os dois, na verdade todos os momentos entre os dois eram tensos...
Ela tentou lembrar de como eles chegaram naquele ponto, naquela intimidade plena apesar do espaço que os dois sempre tentavam manter entre eles. Era difícil, muitas vezes impossível, apesar de que eles gostavam de se tocar sempre, por vários motivos. O que ninguém conseguia entender era como aquilo continuava sendo algo tão puro apesar de tudo, os sentimentos de um pelo outro eram simples: amizade, carinho, alegria, companheirismo...
E apesar disso eram tão diferentes, ninguém achava que algum dia aconteceria algo, mas eles sempre andavam pela corda bamba. O jeito que ele sorria a deixava alegre e sorridente, o jeito que ela brincava com as coisas mais simples e o jeito carinhoso que ela o abraçava o fazia ter pensamentos impróprios pra um amigo em quem ela tanto confiava, e naquele momento, como em alguns outros eles pensavam a mesma coisa. Mas um beijo tudo, tiraria a beleza do momento, o amor entre eles, e todo um futuro dos dois, aquilo não duraria e apesar do óbvio, um beijo apenas mataria o sentimento mútuo.
Então ela fez o que sempre fazia, pulou nos braços dele e abraçou bem forte, deu muitos beijos no rosto dele, pra demonstrar o que ambos sabiam... Tudo estava mais que perfeito e eles seriam amigos para sempre, e eles sempre teriam aquele futuro do pretérito pra se lembrar, porque afinal, eles sempre seriam uma dupla...
O cabelo dela ainda balançava no vento, fazendo a garota parecer um ser de outro mundo, como sempre parecia pra ele, e a luz dos postes brilhava nos olhos dele e fazendo sombra nela, aquela aura de paz se formando ao redor dele que sempre fazia ela sorrir, porque afinal, eles se amavam e sempre iriam se amar, porque no fundo, apesar de serem completamente diferentes pra todo mundo, eles eram a mesma pessoa...

quinta-feira, julho 29, 2010

Mudando de assunto

Emagreci os 3 quilos que eu estava querendo da pior forma... Adoeci sério e ainda estou doente... Bom, pode parecer loucura, mas até que eu realmente estou mesmo mais magra, e ficou bom... Tá, eu NÃO estou doida, é só porque eu fiquei 3 dias direto acamada(é assim que se escreve?) então eu tinha que tirar alguma coisa disso...
Bom, essa virose eu espero não pegar mais nunca, mas por enquanto vou tentar manter meu peso atual e até continuar emagrecendo(só que de outras formas) e dormindo mais também...
Bom, eu nem lembro mais do que eu ia escrever no começo do post...
Já que eu não lembro eu vo falar de uma coisa que está me irritando muito esses dias: meu bloqueio criativo. Não sei porque ou quando isso começou exatamente, sei que eu estava tentando escrever algo no blog há muito tempo, mas sempre que eu escrevia algo me dava um branco total e eu desistia... E como as minhas férias acabam dia 1 eu tinha MESMO que escrever algo antes disso, já que começam meus plantões e aulas super puxadas que todo mundo fala de Medicina(ebaaa) (eba? eu devo ser um pouco masoquista). Vou sentir muitas saudades de postar aqui todo dia ou quase. Não sei quando nem como me apeguei tanto a esse blog, maas acabou virando como um filho, meu bebê. Estou pensando em até publicar alguns dos meus contos aqui... Isso é pra mostrar o quanto eu amo meus leitores e morro de vergonha de alguém ler isso fora vocês...
Então se isso for um adeus... Até logo, porque não sou do tipo que dá adeus...
Borboletas para sempre,
Lívia.

quarta-feira, julho 14, 2010

Pontos de vista

[Ela]
Até então eu só estava pensando em você, com medo do mundo me tirar a chance que eu tinha ali, a qualquer momento... Meu sorriso estampava a felicidade e escondia o medo de errar...
Enquanto seus olhos passavam pelo meu rosto, só se demorando nos meus lábios, eu sabia que você queria ficar comigo, tanto quanto eu te queria, mas eu não ia deixar você perceber assim tão facil. Até porque uma parte da diversão era a tensão no ar...
Não vou dizer que no momento que você pegou na minha mão gelada, pelo sorvete e pelo nervosismo, eu me senti igual àquela época, quando eu não passava de uma criança e você era lindo demais pra mim...
Uma covinha fofa apareceu na sua bochecha, enquanto eu me perdia olhando seus lábios, feito uma boba, então aí você sabia que eu já tinha perdido o jogo faz muito tempo, e você deu um sorriso de ganhador, que eu queria mudar por vários motivos e de várias formas, e como eu era uma lutadora, eu fingi que nada tinha acontecido, e enquanto você desesperadamente tentava encontrar a minha mão, eu estava tentando encontrar um guardanapo, só pra disfarçar meu riso...
Então ambos cometemos um erro, o maior erro, nós lhamos um pro olho do outro no mesmo momento, completamente despreparados pra os raios que passavam por eles enquanto a tensão ficava cada vez mais densa.


Ver meninos me encarando enquanto ficávamos deitados na areia sempre era engraçado, em parte, a parte engraçada era ver você olhando feio pra eles, com cara de assassino; a parte sem graça era ter qualquer outro menino me olhando, quando eu só deixava você ter essa ousadia.
Cada dia mais eu marcava seu nome em mim, na minha boca, na minha mente, então realmente eu não via o porquê de tanto ciúme, não que eu não gostasse...
E olhar pra você era meu prazer pessoal, principalmente quando você não percebia isso, pra você não ficar metido... O sol batendo pele, fazendo relevo nas suas formas, era como se eu tivesse o melhor brinquedo de todos, e era o meu preferido.




[Ele]
Você me deixava muito constrangido, não do jeito literal, mas o jeito que você pensava, isso me deixou preocupado com o decorrer das coisas quando a gente foi pra sorveteria...
Mas quando eu vi você sorrindo me deu vontade de beijar sua boca rosada, agarrar seu cabelo e fazer você esquecer até seu nome. Mas eu tinha que me controlar até você me dar os sinais que queria isso também.
Então eu comecei a prestar atenção ans outras coisas... Como a sorveteria era bonita, as cores marrons e brancas, que nem seus olhos, tão bonitos com os cílios bem grossos, combinando com a boca e as bochechas macias... Droga! Pára de olhar! Pára! Pensa no frio, pensa no frio... Mas ela deve ser tão quentinha... Pára! Por que você não se controla? Peguei na sua mão insconscientemente, e você me olhou com aquela sua timidez, ficou vermelha e sorriu, eu retribuí sorrindo, sabendo que você talvesz me quisesse, deixando o orgulho encher meus pulmões...
Num momento olhei pra você, no mesmo instante que você me olhava de volta... Ficar sem ar é uma definição pequena pra o que eu senti olhando seus olhos, por mim naquela hora eu tinha jogado aquela mesa de lado, te pegado nos meus braços e beijado, mas você morreria de vergonha, então eu esperei mais um pouco...


Por que tinha que ter tantos idiotas naquela praia? Deviam ir procurar alguma garota solteira, ela era minha! Mas eu tinha que admitir, pelo menos eles tinham bom gosto, ela tava linda! Não devia sair assim pra praia, era perigoso porque eu podia acabar tendo um infarto...
Acho que era isso que ela queria, que eu morresse! A idéia era cômica, mas dizer isso pra ela significaria uma briga, uma bem divertida, em que ela tentaria ser forte e malvada, mas pareceria um filhote de gato arrisco...
Eu babava em cima dela, literalmente, acho que ela não me achava tão bonito, mas eu achava ela linda! Tentava saber o que ela olhava por trás dos óculos escuros, mas eu não via nada além de outros caras na praia... Se ela tivesse olhando pra eles, eu ia ficar muito irritado e bater em alguns deles, talvez, porque ela ficaria chateada...

quarta-feira, julho 07, 2010

Sparkles

Podia contar cada esperança em meu coração:
Esperança de um dia ser uma ótima médica.
Conseguir fazer a residência que eu quiser onde eu quiser.
Poder amar pra sempre algo.
Poder amar alguém pra sempre.
Esse alguém que eu amar me amar de volta.
Ter uma casa grande com um monte de cachorros e gatos.
A cada dia ser mais feliz.
Morar num lugar onde o céu seja lindo à noite e de dia, pra eu não me entediar de lá.
Juntar todos os amores da minha vida no meu coração sem briga um dia.
Aprender a dar e receber.
Comprar a roupa perfeita.
Ter os sapatos e a bolsa perfeita.
Me acostumar com minhas mudanças constantes de humor e paixão.
Aprender a tocar violão.
Dançar uma música lenta com alguém que eu amo de verdade, e sentir o momento se estender pra sempre.
Cantar uma música que eu amo pra alguém que eu amar dormir.
Viajar e ver o mundo inteiro, cada pequeno bosque enevoado, cada duna, cada reflexo dourado do sol e prateado da lua.
Morar perto dos meus grandes e eternos amores.
...

Muitas mais esperanças...
Se cada uma delas fosse uma estrela, elas seriam mais incontáveis que no céu noturno...
Por isso eu digo que não conto.
Eu deixo elas brilharem, tanto que me cegam, tanto que cada dia mais eu me perco nelas, e me sinto cada dia mais presa ao chão e mais voadora.
Deixo elas brilharem forte, até quando se tornam realidade, pra minha noite brilhante se tornar dia ensolarado, e ser dia e noite em mim pra sempre.
Borboletas para sempre,
Lívia.

terça-feira, julho 06, 2010

MEU BLOG!

Eu andei muito preocupada com o andamento do meu blog. Muitas pessoas citando postagens que eu tinha feito, dando dicas e etc... Não que eu não agradeça a cada uma delas, mas me deixou muito confusa, porque eu não tenho lá muita confiança em mim e no que eu faço, então um comentário me deixa muito pra baixo.
Acabei fazendo uma "enquete" sobre o meu blog, abordando de tudo nele... Resumindo, não acabou bem, todo mundo dizia algo diferente e no fim não era nada do que eu queria, então eu tomei uma atitude, estou fazendo as postagens sobre o que eu quero, mesmo que seja uma "besteira", mas é uma coisa que eu tenho ue escolher, ora bolas!(Essa foi pra minha mãe!)
Finalmente eu criei coragem e agora esse blog é meu! Romântico, bobo, cruel, infantil, colorido, preto-e-branco, ignorante, delicado, fofo, bruto, em constante mudança, sempre igual, anti-romântico, e muito atual.
É meu, por isso que eu troquei o nome.
E bem vindo ao Anéis de Prata!

Borboletas para sempre,
Lívia.

segunda-feira, julho 05, 2010

Apontar

O roxo escuro com pontos brancos brilhantes me encarava
Suas cores me deixando maravilhada, como sempre.
Então eu olhei pro lado, vendo as formas como algodão
formando imagens engraçadas e escuras.
Ameaçando cair sobre mim.

E o vento levou tudo pra longe,
menos meu espírito, que continuou lá um bom tempo.
Sacodindo meu cabelo para todos os lados
enquanto algo molhado tocava meu rosto,
levando todas as minhas máscaras.
Deixando aqui a garota, meio menina meio mulher,
a encarar as estrelas de noite,
pensando na sua grandeza e pequenez,
e em sua própria grandeza e pequenez...

Lyrics... All about a old and new love...

O cheiro de pipoca quente do microondas,
de brigadeiro recém-feito 
do perfume que você adora usar;
 voltando do passado pro ar,
toda vez que eu lembro daquele dia.

Quando naquele segundo você mudou,
ficou brilhante, lindo,
acho que foi o amor...
Eu sorri pra você, e você percebeu
que era aquela a nossa hora
 foi a primeira vez que eu provei teu sorriso,
daquele dia em diante você era meu.

 E por muito tempo a gente ia dormir pensando um no outro
rindo em cada pensamento.
E em cada momento juntos,
a Terra movia mais rápido.
e você me levantava no chão,
sempre feliz por estar nos seus braços.

Mas alguma coisa mudou,
de repente você não estava lá.
Eu estava sozinha, sem você.
Decidi me isolar.
A cada passo que eu dava,
dava pra ver a sua sombra no meu olhar.

Você é como os rios do sertão,
vai e eu sempre sei que vai voltar.
Mas eu sou como a planta na margem 
que seca no verão.
Preciso do seu toque no meu rosto
pra poder bater meu coração.

Ainda me lembro como tudo começou...
Foi quando naquele segundo você mudou,
ficou brilhante, lindo,
acho que foi o amor...
Eu sorri pra você, e você percebeu
que era aquela a nossa hora
 foi a primeira vez que eu provei teu sorriso,
daquele dia em diante você era meu.

sexta-feira, julho 02, 2010

Eu X Mundo

O que é pior? Deixar a sujeira do mundo e a perversidade criarem um escudo entre você e ele ou jamais se inquietar por isso e se sujar ou se magoar?
Estava pensando esses dias, em como eu mudei de uns tempos pra cá, ou em como eu deixei o mundo me mudar, a vida tirar minha inocência(na falta de uma palavra mais adequada), o jeito que eu via as pessoas...
Costumava ser bem mais boba, acreditava muito mais na bondade humana, na verdade nas palavras das pessoas... Agora eu sou simplesmente mais uma pessoa com medo da vida.
Outra coisa que me fez parar pra pensar foi a possibilidade de um dia, num futuro distante, ter filhos... Como colocar uma criança num mundo como este, onde tudo que se espera é dor e sofrimento?
Pensar nas pessoas de certa forma, e essas mesmas pessoas acabarem por te magoar, mesmo que por fazerem algo que você considera errado, como magoar outras pessoas na sua frente, e você não poder fazer nada...
Mundo doido, onde tudo sempre tem um certo quê de maldade... Ou quase... O que me dá esperança é o brilho nos olhos das pessoas puras de coração. Um sorriso sincero, o amor verdadeiro(esse é só esperança, alguém me diz onde encontrar algum desses?), no doce cheiro de plantas vivas e no bater de asas de borboletas...

Borboletas para sempre,
Lívia.

quarta-feira, junho 30, 2010

Braços

O sol bate no meu rosto refletido do seu sorriso,
e porque eu não sorrio também?
Então eu olho meus olhos e vejo o vazio,
enquanto permaneço imóvel,
a cena do inconsciente acordado...

Não quero mais abrir a porta 
e ver que não há nada do outro lado.
Escondendo meu tesouro,
envolvendo-o em meus braços.

domingo, junho 27, 2010

Um dia perfeito de verão

Ela estava de óculos escuros, com os olhos fechados e ainda sentia a claridade do sol do meio dia batendo bem fundo na retina.
Quando de repente um toque familiar de uma mão macia tirou o par dos seus olhos.
-Eiiiiiii! Bota de volta, tá muito claro! Vou acabar me ce...
Nesse momento ela foi interrompida com um daqueles beijos deles, que ela sentia paz e alvoroço ao mesmo tempo...
-Pronto, agora você pode botar eles de novo, dona Amanda...
-Não, não quero eles não, vem cá Gu!
-Não! - Disse ele com um sorriso brincalhão no rosto - Você prefere os óculos, eu entendo - E fez uma cara de tristeza falsa dele, que sempre fazia ela rir e se atirar nos braços dele.
-Bobo!
Depois do beijo os dois olharam ternamente para o mar, cada um pensando a mesma coisa, sabendo que o outro estava pensando nisso também
Então do nada ela tirou seu grande chapéu branco de palha e colocou na cabeça dele:
-Que coisa meiga! Tá mais que gatinha agora o senhor, viu?
-Ai, você juuuuuura amiga?
-Juuuuuuro! - Contorcendo-se no chão de rir.
-Quer que eu prove minha masculinidade! Grrrrrrrrrrrrrr
E enquanto ele rugia e ela ria ele carregava ela até a água azul perfeito, ela gritando e ele rindo, os dois felizes, numa bela manhã de verão.
Ela sabia que era ele, não sabia ainda exatamente o quê, mas sabia que era ele.
Ele já tinha comprado a aliança, sem ela saber, pra daqui a uns meses, caso ela perdesse o medo de casar.
Enquanto iam pra água, ela se debatendo e reclamando de molhar o shorte; ele fazendo cócegas.
Eles lembraram de todos os momentos ruins, das brigas feias, das vezes que terminaram, de tudo que passaram de ruin e parecia uma sombra que desaparecia quando eles lembravam de tudo de bom, do amor deles, que era sincero.
Então a sombra desaparecia no tempo, enquanto a água do mar apagava o ruin do passado e a brisa do tempo o ruin do futuro.
E o chapéu de palha branco e o óculos escuros estavam ainda na areia, como o contraste entre as personalidades dos dois, mas juntos, pra sempre na luz de um dia perfeito de verão...







Sexualidade alheia é, como o nome diz, alheia...

É o mundo de sempre, sua rotina comum, você sai de casa, pega o ônibus ou entra no carro e sai andando pela cidade, chega no shopping e esbarra num casal homossexual. Nada demais, cada um escolhe o que quer da vida, apesar de você não ter noção de como uma garota poder beijar uma coisa tão bizarra assim... Então você continua sua rotina...

Mais outro dia, mais outra rotina, você sai de casa, pega o ônibus ou entra no carro e sai andando pela cidade, chega no shopping e esbarra numa garota te encarando, te secando mesmo, então você pensa: "Não venha falar comigo, não venha falar comigo!". Mas ela vem, e solta alguma canttada simples em você, e você olha no fundos dos olhos dela e diz: Desculpa, mas eu sou hetero...
Sabe qual o problema de hoje em dia? É que é quase uma doença pra uma menina ser hetero, porque os meninos são milhares de vezes mais atraídos por meninas bi do que por heteros e quando você diz que é hetero, eles a olham como se você fosse a pessoa mais antiquada do mundo...
Que saco! É o que o meu professor chama de Repressão homossexual, antigamente era o contrário, você era deslocado se fosse homo...
Então é isso, cada um devia deixar as coisas como estão, sem tentar "transformar" ninguém em nada, você é homo ou bi? Que bom pra você! É hetero? Que bom pra você também, e cada um que viva a sua vida!

Borboletas para sempre,
Lívia

sexta-feira, junho 18, 2010

Coisas

Andei sem muita inspiração ultimamente, acho que porque a minha vida anda tão tumultuada que eu nem consigo pôr a cabeça em ordem pra escrever, então tenho lido, lido demais até pra mim... Provas da faculdade, livros pelos quais eu ansiava comprar( e acabei comprando esses dias), e principalmente blogs, que são minha maior paixão-ex-secreta.
Eu simplesmente via coisas na minha cabeça, as palavras se formando e formando textos, mas daí conseguir focar neles tempo suficiente pra digitar, foi demais pra a minha mente estressada com o turbilhão da minha vida "moderna".
Então agora, eu olho pra umas fotos no meu computador, fotos de pessoas e momentos, alguns que me deixam saudosista pela minha vida "perdida", as mesmas fotos que me mostram o quanto eu costumo ser boba e inocente demais pra ver o lado ruin das pessoas, sempre pensando que elas vão mudar no fim, que sou eu o problema. O pior é descobrir que sou eu o problema, que eu sou amorosa demais e a maioria das pessoas tende a se aproveitar disso, de todas as formas possíveis. Eu queria simplesmente sair do meu corpo e me dar um tapa na cara, me mandar deixar de ser idiota, e pra viver a minha vida sem me importar se magôo alguém, pra ir atrás do menino que eu quero, pra não deixar o menino que eu não quero vir atrás de mim, pra sempre manter o sorriso, pra me fazer escutar pelas pessoas que acham que sempre têm a razão, pra eu ser mais eu.
Mas quem me conhece sabe que eu não consigo, ainda sou uma criança. Criança que chora, ri e se magoa demais. Quem me conhece sabe que eu sou meio vulnerável, o que acontece é que eu não queria ser assim, queria ser uma pessoa durona, então eu ergo esses muros enormes em torno de mim, me cercando de armas e tijolos, e não quero deixar ninguém entrar, mas tem gente entrando, tem gente demais, então a menina tá perdida até demais, está procurando seus ursinhos de pelúcia pra se abraçar.
Então pra os meus leitores, desculpa a falta de conteúdo no blog, mas a menina vai tentar partilhar mais o universo preto-e-branco perfeito e colorido dela...
Borboletas para sempre,
Lívia

Engatinhando

Everybody sees it' you
I'm the one lost the view
Everybody says we're through
I hope you haven't said it too

So where
Do we go from here
With all this fear in our eyes ?
And where
Can love take us now
We've been so far down
We can still touch the sky

If we crawl
Till we can walk again
Then we'll run
Until we're strong enough to jump
Then we'll fly
Until there is no wind
So let's crawl, crawl, crawl

Back to love Yeah!
Back to love Yeah!

Why did I change the base
Hearts were never meant to race
I always felt the need for space
But now I can't reach your face
So where
Are you standing now ?

Are you in the crowd of my thoughts
Love can't you see my hand
I need one more chance
We can still have it all

so we'll crawl (if we crawl)
Till we can walk again
Then we'l' run (then we'll run)
Until we're strong enough to jump
Then we'll fly
Until there is no wind
So let's crawl crawl crawl

Back to love Yeah
Back to love Yeah

Everybody sees it's you
Well I never wanna lose that view !

So we'll crawl (if we crawl)
Till we can walk again
Then we'll run (we'll run)
Until we're strong enough to jump
Then we'll fly
Until there is no wind
So let's crawl crawl crawl

So we'll crawl (if we crawl)
Till we can walk again (till we can walk again)
Then we'll run (we'll run)
Until we're strong enough to jump (until we're strong enough to jump)
Then we'll fly (then we'll fly)
Until there is no end
So let's crawl, let's crawl, let's crawl
back to love



Simplesmente pra uma pessoa que eu amo, que a gente tá sempre se desencontrando na vida amorosa, que sempre vai ser pra mim alguém importante demais, que eu amo...
Pra essa pessoa, eu dou meu coração, numa bela bandeja de prata, a pessoa sabe porque é de prata a bandeja...

Borboletas para sempre,
Lívia

quinta-feira, junho 17, 2010

Você me pertence...

"Se você pudesse ver
que eu sou a única
que te entende
Que te teve aqui por todo esse tempo
Então por que não pode
ver que você pertence a mim
você pertence a mim"

Pra quem não conhece essa música, é a parte do refrão de uma música da Taylor Swift, You Belong With Me.
Bem, queria eu poder postar a música toda, sem sentir uma pontada de ciúme da menina da história. Porque na história ela é a amiga diferente, o patinho feio que vira cisne, que no final é mesmo a dona dele.
A história que eu quero  mostrar é diferente, é a história da menina que não aparenta ser o patinho feio, que não conheceu o menino a vida toda, mas que sabe que talvez dê certo com ela...
A menina que te olha diferente, com brilho nos olhos, que quando te abraça sente arrepios na espinha, que sorri cada vez que te vê, que gosta de tudo que você gosta, que gosta de te ver, que te acha lindo e perfeito, que é amiga dos seus amigos, que está aqui pra você, apesar de você não estar nem aí pra ela...
È essa garota que está lhe esperando, que quando não está pensando em você, não está pensando em nada interessante...

Borboletas para sempre,
Lívia


http://www.youtube.com/watch?v=VuNIsY6JdUw

terça-feira, junho 15, 2010

Título do Blog

Mudei o título do blog como vocês devem(ou não) ter percebido, isso ocorreu pela simples falta de inspiração que eu tava tendo pelo nome...
Por falar nisso eu nunca expliquei o porquê do nome antigo do blog (então vou aproveitar para explicar o nome novo também)...
No dia em que eu fiz o blog, eu fiquei olhando para o campo que era pra ser preenchido pelo nome do blog e tentei pensar em algo legal, e, como eu gosto, cheio de ambivalência.
Acabei criando esse antigão(que eu também acabei mudando): Tirando do fundo do balde. Por quê? Bem, eu me imaginei postando no blog, tentando extrair textos legais de mim mesma além de coisas muito vairiadas, o que seria muito difícil.
Então imaginei algo tão difícil de tirar quanto. Pensei logo nessa situação, uma pessoa tentando tirar algo do fundo de um balde, não existe muito além do balde(na verdade, nada), então criei o nome, que nos últimos tempos foi trocado por: Fundo do Balde.
Então hoje eu percebi que o nome não me inspirava nada, só uma estranheza, então eu mudei, de novo. "Anéis de Prata" tem muito mais a ver comigo pra quem me conhece mesmo. Acho que é isso, mas eu ainda deixo o link antigo: livinhaeobalde, porque faz parte desse blog, assim como os dois nomes antigos sempre farão. Nunca vou me esquecer do quanto foram inspiradores pra mim,e quantos leitores eles me trouxeram.
(Eu, sempre a boba saudosista...)
Borboletas para sempre,
Lívia.

domingo, junho 13, 2010

Soco, soco, soco, soco!

 -Meeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeu irmãaaao!! Caraca!! Quando esse sapo idiota vai parar de me encarar?
Eu basicamente não conseguia escutar nada do q o outro sapo tava me dizendo. Que saco! Estava torcendo minhas patas, a fim de não "apresentar" elas à cara dele, "apresentar" de forma bem íntima!
O idiota já estava passando dos limites. Curisidade com a minha vida?! Odeio quem fica curiando a minha vida, ainda mais quando o faz tão DESCARADAMENTE quanto ele. Procura o que fazer, algo que envolva CUIDAR DA SUA PRÓPRIA VIDA INEXISTENTE!
Então ele simplesmente veio falar com a gente! Ah, se tocaaaaaaaaaa! Eu não podia perder essa oportunidade, simplesmente eu respirei fundo, beeem fundo, me virei pra o meu interlocutor e fingi que não havia ninguém lá. O pobre sapo, quando finalmente percebeu que eu estava prestando atenção ao que ele estava falando, agarrou a oportunidadee, mesmo sabendo que eu estava fazendo por maldade. Então o sapo idiota ainda se fez de ofendido, COMO SE EU TIVESSE LIGANDO!
Qualquer dia desseseu me canso desse sapo idiota e encho a cara dele de sopapo! Ia ser divertido... Quem sabe finalmente ele se calava um pouco. Que droga! Ele só pode fazer de propósito, ele sabe que eu ODEIO quem chereta a minha vida, e ele vive fazendo isso? Ele quer é apanhar! (Sentindo gosto de sangueeee!!)
Bom, caso eu acabe no Lagomero Cavalcante por interrupção da paz, vão me visitar, eu vo gostar de ter umas algas legais e uns cigarros pra trocar pela minha virtude...
(Pra evitar ter q trocar cigarros pela minha virtude, vo respirar fundo mais um pouco...)


Cronicas Coaxantes

terça-feira, junho 01, 2010

Defesa e ataque

Ontem algo conseguiu tocar minhas feridas mais profundas...
Sempre senti uma dor pungente no coração quando presenciava preconceito, o (pra mim) pior tipo de preconceito: preconceito contra pessoas deficientes e/ou com doença crônica incurável e que cria deformidades.
Bom, isso toca meu coração, pra ser sincera, toca é pouco... Isso crava as unhas bem no meio dele e depois gira o pulso a fim de estraçalhar o máximo possível num golpe só. Me dá náuseas, eu choro, sinto vontade de me contorcer em posição fetal e curtir uns minutos sozinha, sentindo nojo da maldade de algumas pessoas...
Não sei como explicar porque isso veio à tona, porque é simples, porque foi um filme, mas ao mesmo tempo é um filme pouco conhecido, então...
O nome do filme é "The Elephant Man" com Anthony Hopkins. Ao ver esse filme, comecei a chorar, fiquei até com vergonha, porque não gosto de(a expressão é: acho muito idiota da minha parte) chorar em público, mas simplesmente não consegui me controlar, comecei a chorar e quase a soluçar...
Me fez pensar em muita coisa que eu ando pensando: como o ser humano pode ter um lado sadista e nojento, em como a vida pode ser injusta com certas pessoas, em como eu queria mudar o mundo(na conotação mais idiota e juvenil que a expressão pode ter). Queria que cada um olhasse sua vida da forma que olha a dos outros, que cada um tivesse tempo de se julgar ao menos do mesmo jeito que julga os outros, mas aparentemente as pessoas são idiotas e metidas demais pra isso, pra simplesmente viverem suas vidas enquanto pessoas de valor de verdade vivem as suas...
Bom, tenho motivos pessoais pra ser revoltada assim com esse tipo de preconceito. Uma pessoa que eu amo muito e me é muito próxima desde que eu abri os meus olhos pelaa primeira vez e que me ama desde isso também, sempre foi tratada com um pouco de preconceito, eu tento ensinar um pouco disso pra essa pessoa, tento ser dura, pra ele ficar forte e sobreviver nesse mundo idiota e ruin no qual ele foi jogado, e cada vez que ele é magoado, eu sinto como se uma parte do meu coração foi arrancado, ou ele todo de uma vez.
Então dedico esse post a ele, meu irmão lindo e fofo que provavelmente nunca vai ler isso, mas eu queria dizer pra esse mundo idiota e chato que cada vez q a dor passar pelos olhos dele por sua culpa, que eu vou estar aqui pra te dar um soco na barriga ou enfiar uma faca de serra(tanto faz).

Borboletas para sempre,
Lívia.

domingo, maio 30, 2010

Toco!

Tenho levado muito toco ultimamente. Chega a ser ridículo! Acho que é bem o destino. Antigamente eu dava muito fora, agora a mesa do carma virou pro meu lado.
Bom, não fiz o post (só) pra me lamentar, fiz pra revelar fatos sobre os foras:
1- Não há ser no mundo que leve um fora numa boa, sempre acaba magoando o ego ou qualquer outra parte freudiana da personalidade;
2- Todo mundo já levou ou vai levar um fora um dia, se até a Angelina Jolie e a Megan Fox levaram fora, quem sou eu pra não levar?
3- Sabe aquele garoto que você jura que não pode te dar um fora, o feinho, chato, ou nenhuma das opções, mas você tá certa que ele tá a fim de você? É exatamente esse otário que vai te dar um fora, agora não me pergunte o porquê;
4- Quando levar um fora, não fique se remoendo: "Por que eu?" Manda o lesado tomar banho e tira isso da cabeça, se ele ainda te quiser, ele vem atrás, você deu o primeiro passo, agora é hora dele dar um também, né?
5- Numa situação dessas, parta pra outra! Não existe pessoa boa o suficiente pra voce ficar esperando enquanto ela não te dá valor, ou vê você da forma que você quer... Curta a vida livre pensando em coisas q valem a pena na vida, as quais NÃO SÃO ELE!
6- E último, a cada fora que você levar, encara como uma coisa qualquer, isso não muda nada em sua vida, é como tropeçar ou ralar o braço numa quina, acontece porque acontece...

Bom, o motivo MEU por trás do post é tentar dar uma levantada na minha baixo-estima ultimamente, quem sabe da próxima vez o menino que eu escolher não me dá bola de verdade?

E se vc, garoto, achou o post só pra meninas, É PRA MENINOS TAMBÉM, equivalendo gêneros e trocando substantivos no post...

Borboletas para sempre,
Lívia