sábado, março 27, 2010

TECNOLOGIA ¬¬


Odeio não saber das coisas...
Por mim eu seria uma gênio sabe-tudo, pra não passar vergonha pública, tipo esse layout novo, não sei como colocar o nome do blog no lugar certo(vontade de bater na máquina, vontade de bater na máquina, calma, calma!)...
Eu não entendo, meninas de 10 anos que têm blog não têm esses problemas(não que eu seja um dinossauro, afinal só tenho 19 anos... Mas é frustrante tentar fazer algo na internet e não conseguir, e antigamente(há uns 2 anos, não tão antigamente) eu fazia jogos de rpg codificados, agora não consigo inserir um layout novo pro blog...
Sinto que isso se deve à minha falta de interesse por tecnologia, eu acho que é assim, você vai arrumando novos interesses e vai esquecendo os antigos...
Só posso pedir que meus leitores gostem do layout novo e não achem muito bagunçado ou infantil(esse era o menos infantil lá, tinha um da "Hello Kitty" que era o segundo menos infantil, pra vcs verem como estavam as coisas...).
Outra coisa, Gostei que algumas pessoas legais que eu tenho o prazer de conhecer estão fazendo blogs, eu ia mencionar isso antes, mas acabei esquecendo... Bem, de qualquer jeito eu estou adicionando os melhores blogs dessas pessoas aí na barra lateral. Espero que vocês amem os posts tanto quanto eu... O post que eu recomendo da semana(vou começar a fazer isso) é o da "minhas cores", o post "to meio assim", eu até postei um comentário aqui há uns dias sobre esse post, muito bom, leiam mesmo...
Borboletas para sempre...
Lívia.

sexta-feira, março 26, 2010

Mãos na praia

Pulou mais uma vez, a terceira, e esperou pacientemente de olhos fechados, visualisando o que queria. Com as mãos nos bolsos ela pensava enquanto as pontas dos dedos dos pés se enterravam na areia seca e fria, sentia a brisa doce do mar e o cheiro dos lírios da praia que incensavam aquela noite de verão. Enquanto o tempo passava ela pensava com mais força, até uma gota de suor se formar em sua testa fria. Uma gota de esforço. Então uma gota de dor brotou de cada olho, e mais outra, e mais outra, e mais outra...
Então ela se sentiu abraçada, sentiu mais calor, sentiu mais conforto, mas nada mudou por dentro, ela estava em outro planeta, pensando em outra coisa... Só queria desvanecer com o vento, queria sublimar seu corpo, e continuava a chorar intensamente...
Então o abraço ficou mais apertado, e chegaram perguntas, perguntas as quais quem perguntava já sabia a resposta, as mãos dos abraços a apertando, sacudindo, chacoalhando, mas ela só queria desvanecer.
Então ela sentiu seus pés pararem de tocar a areia, e se desesperou... Abriu os olhos e em sua fúria e gritou com todos aqueles que estavam ali, todos os pares de mãos, e desesperada em sua tristeza, correu para o mar, sentou-se na beira e chorou, mais do que tinha chorado antes, porque ninguém a entenderia, ninguém nunca a entenderia, e tinha um mar de distância entre ela e o que ela queria...
Então as mãos apareceram de novo, cautelosas e ressentidas. E ela percebeu que tinha sido rude, principalmente com quem ela amava, vários pares de mãos que estavam preocupados, alguns que simplesmente queriam que a dor dela parasse, outros que não entendiam o porque da dor, mas mesmo assim estavam ali pra ela, e quatro pares de maos muito especiais, que eram os mais únicos, porque ela os amaria pra sempre, e eram parte do seu coração, belos e quentes e perfeitos de sua forma única.
Mas ela era esperta demais para seu próprio bem, ela via além de todos esses pares, ela via além dos que estavam para o único que faltava, e sentia sua falta, e sentia o mar chamando, para que ou o par de mãos o cortasse habilmente, ou ela com o seu próprio par o cortasse, para por fim não ser mais o que falta.
Sabe qual o problema do chamado do mar? Ela sabia que se começasse a nadar, ela sentiria falta das outras mãos. E que as outras mãos sentiriam falta dela.

terça-feira, março 23, 2010

How you doing? ;)

Eu tenho um defeito horrível: sou uma pessoa iludida. Eu sempre creio que as pessoas que eu gosto são lindas(por dentro e por fora, mas vamos focar no por fora hoje). Isso gera algumas complicações quando o assunto é beleza exterior, até porque(pra quem não me conhece) eu sou muito crítica com jeito de vestir e beleza a em geral, a não ser que você seja meu amigo/a, que é quando eu me torno parcial, e assim, quando meus amigos vêem me perguntar opinião sobre roupas ou cabelo, eu entro no papel de garota nojenta, e faço uma cara séria e dou a sugestão e análise mais dura possível(sem intenção, é só o único jeito que eu consigo ser imparcial). Tem gente que não gosta, então eu me abstenho de dar opiniões...
Agora focando no título do post(e sobre o que eu realmente quero falar), é uma frase de "F.R.I.E.N.D.S" bem famosa, é a frase que o "Joey Tribbiani" usa pra dar em cima das mulheres( e incrivelmente sempre funciona), coloquei porque queria falar dos meus amigos com os quais não posso ter opiniões duras e nojentas sobre a aparência(meus amigos tos, em muitos aspectos). Sabe o que é ruim em ter amigos muito gatos?
1- É ruim sair com eles porque sempre chega uma menina que te olha com cara de nojentinha pensando que você namora ele ou coisa assim.
2- Meninos nunca vêm falar com você porque pensam que é namorado(ou coisa assim) e não gostam da competição pesada.
3- Você sempre acaba um tempinho sozinha porque ele invariavelmente vai ficar com alguém e você vai passar ou de corna(pensam que é seu namorado) ou de quem levou fora(do amigo), ou de amiga feinha(porque seu amigo não te pega).
Agora as partes boas:
1- Ah, quem não gosta de ser vista com gente bonita?
2- Caso a saída esteja muito ruim, e você muito na seca, pelo menos você não beija alguém feio(caso não tenha ninguém bonito por perto, sobra o amigo)
3- As meninas vão adorar ser suas amigas(por interesse, claro!), mas pelo menos você consegue coisas delas.
4- Você sempre vai entrar em lugares badalados, e às vezes você ganha coisas por tabela(ursinhos de namoradas que eles não gostam...)
5- E se for seu amigo mesmo, a melhor coisa que você ganha(e que exclui todas as coisas ruins e boas acima), é que você tem um amigo, não importa se bonito ou não.

E é assim que eu acabo esse post totalmente superficial(estava me sentindo superficial hoje, eu tinha que extravasar), sendo um pouco tola e infantil. Jogando fora as superficialidades da vida, e abraçando todo mundo...
Borboletas para sempre...
Lívia

segunda-feira, março 22, 2010

Acabou... Porque acaba mesmo...

Pra quem acha que eu sou uma metida, idiota e chata, têm razão...(porque que eu falei isso mesmo?)(Porque eu ia dizer que eu não era tanto... Começarei o post novamente)
Eu sei que sou chata e metida, mas tem alguns aspectos meus que não chegam no extremo da metidisse total... Estava eu lendo os posts dos sites preferidos(aqueles aí na direita) e li um que gostei muito(e recomendo), que falava de amor e o quanto ele é superestimado por aqueles que o têm, porque amor é como todo sentimento humano, ele ocasionalmente acaba...
O quanto você se força a continuar amando quando percebe que está começando a ter menos sentimentos por alguém legal e especial(mãe, pai, irmão, amiga/o, namorado/a...), eu sou um pouco assim, meio desapegada ao amor... Eu encontro algo para amar nas pessoas, algo notável por ser louvável e pungente nas pessoas. O que acontece é que as pessoas mudam, as pessoas sofrem, sorriem, andam, param, mas o que nunca muda é que elas sempre mudam(paradoxal, não?), é como a antiga história do homem e do rio, o rio muda, o homem muda, tudo muda... Pra mim isso é especialmente doloroso, porque eu costumo admirar demais as qualidades das pessoas(não as pessoas em si, mas eu me encanto pelas qualidades delaso mesmo jeito é o amor... Eu perco o amor pela pessoa quando ela muda suas qualidades(e personalidade e caráter conseqüentemente...), e é muito rápido, porque minha cabeça é mais atuante no meu coração do que o oposto(é, eu sou diferente, e daí?), o que choca às pessoas por vezes... Como quando um dia eu amo aquela pessoa e no outro dia sou indiferente à ela... Acontece... Eu não gosto de ser desapontada ou magoada, por isso que eu tento não magoar o máximo possível qualquer pessoa...
Eu acredito que se deixa de amar mais facilmente do que se ama... Ninguém agüenta carregar um relacionamento nas costas por toda a eternidade, um dia a pessoa se livra do peso... Às vezes nem por se cansar, mas por apenas descobrir que o que achava que era um saco de pedras preciosas, apenas um monte de carvão...

sexta-feira, março 19, 2010

Um sonho...

Eu olho aquela coisa vermelha e sangrenta, se debaldeando entre minhas mãos, e espero ele parar, e jogo-o contra a parede, e aperto e grito com ele...
Por quê? Não sei, mas eu continuo, e de novo e de novo, continuo furando e furando e furando, criando buracos negros dentro dele, enquanto ele luta contra mim mesma, sua dona, uma parte dele, que é tola demais...
Pára! Pára agora! Eu digo isso a mim mesma, mas acontece que eu não escuto. Eu nunca escuto, afinal...
Eu dou tapas em minha cara, eu me sacudo, eu começo a chorar, de nada adianta...
Então eu fico ali, assistindo isso...
A pior parte não é ver, a pior parte é não saber porque estou fazendo isso...
Então eu percebo que sei porque, em algum lugar no fundo eu sei que existe uma explicação...
Mas isso não me impele a parar, isso me impele cada vez mais a esmagar e sufocar...
E vendo isso, eu choro, choro por me ver fazer isso, por não conseguir me parar e por não sair de onde eu estou...
Droga! E agora eu estou parada, no vazio escuro vendo aquela coisa vermelha pulsando... A luz que sobra, a única luz a qual eu me apego, e que por favor, não se apague...
E eu olho tudo acontecer... Meus olhos embevecidos em lágrimas, esperando que a aquilo dure mais que eu...

terça-feira, março 16, 2010

Uma ou duas

Abre os olhos e vê azul e rosa cintilando acima de seu rosto.
Encosta a cabeça na pétala da flor e abraça o chão.
Ajeita sua tiara e sopra orvalho nas plantas.

Olha para o rapaz à sua frente e sente que está prestes a magoar muitos sentimentos.
Tenta encontrar um jeito fácil de dizer aquilo sem que saiam muito feridos...
"Não quero você" ela pensa, mas seria fácil demais se fosse assim.

Sorri para o leito do rio enquanto se lava em suas águas, arrumando as folhas em sua pele clara e macia.
Alcança os frutos das árvores, bailando entre arbustos, pensando se irá nadar no lago de novo, agora que estava cheio de homens.
E ela olha pra o infinito pensando na vida e no som das árvores.

Sorri pra si mesma, dança, se mexe, abraça e dá beijos na bochecha...
Grita alto e se sente como se estivesse no topo do mundo.
Ela está assim, deixa ela assim? Sorri com ela, se quiser, mas não deixa de sorrir por ela, porque ela só faz sorrir...

segunda-feira, março 08, 2010

Eu ando olhando pro céu.
Eu rio com meus amigos de coisas bobas.
Eu canto alto junto com a música,
enquanto balanço meus cabelos e danço,
não importa aonde esteja caso esteja inspirada...

Eu tomo muito sorvete.
Eu gosto de chupar gelo em dia quente.
Eu tomo picolé.
Eu tomo banho de praia e de piscina e até de torneira se deixar...

Eu gosto de desenhar e depois jogar tudo fora.
Eu gosto de costurar e ver desfiles.
Eu gosto de resolver problemas de matemática.
Eu adoro ler livros, principalmente os antigos, clássicos e de filosofia.

Eu não entendo as pessoas, e sei disso.
Eu tenho bons amigos, e sei disso.
Eu rio demais, e sei disso.
Eu me escondo com máscaras, e vocês não devem saber disso...
Afinal, eu sou comum, e não sou, sou eu,
e não sou eu ao mesmo tempo