quinta-feira, julho 29, 2010

Mudando de assunto

Emagreci os 3 quilos que eu estava querendo da pior forma... Adoeci sério e ainda estou doente... Bom, pode parecer loucura, mas até que eu realmente estou mesmo mais magra, e ficou bom... Tá, eu NÃO estou doida, é só porque eu fiquei 3 dias direto acamada(é assim que se escreve?) então eu tinha que tirar alguma coisa disso...
Bom, essa virose eu espero não pegar mais nunca, mas por enquanto vou tentar manter meu peso atual e até continuar emagrecendo(só que de outras formas) e dormindo mais também...
Bom, eu nem lembro mais do que eu ia escrever no começo do post...
Já que eu não lembro eu vo falar de uma coisa que está me irritando muito esses dias: meu bloqueio criativo. Não sei porque ou quando isso começou exatamente, sei que eu estava tentando escrever algo no blog há muito tempo, mas sempre que eu escrevia algo me dava um branco total e eu desistia... E como as minhas férias acabam dia 1 eu tinha MESMO que escrever algo antes disso, já que começam meus plantões e aulas super puxadas que todo mundo fala de Medicina(ebaaa) (eba? eu devo ser um pouco masoquista). Vou sentir muitas saudades de postar aqui todo dia ou quase. Não sei quando nem como me apeguei tanto a esse blog, maas acabou virando como um filho, meu bebê. Estou pensando em até publicar alguns dos meus contos aqui... Isso é pra mostrar o quanto eu amo meus leitores e morro de vergonha de alguém ler isso fora vocês...
Então se isso for um adeus... Até logo, porque não sou do tipo que dá adeus...
Borboletas para sempre,
Lívia.

quarta-feira, julho 14, 2010

Pontos de vista

[Ela]
Até então eu só estava pensando em você, com medo do mundo me tirar a chance que eu tinha ali, a qualquer momento... Meu sorriso estampava a felicidade e escondia o medo de errar...
Enquanto seus olhos passavam pelo meu rosto, só se demorando nos meus lábios, eu sabia que você queria ficar comigo, tanto quanto eu te queria, mas eu não ia deixar você perceber assim tão facil. Até porque uma parte da diversão era a tensão no ar...
Não vou dizer que no momento que você pegou na minha mão gelada, pelo sorvete e pelo nervosismo, eu me senti igual àquela época, quando eu não passava de uma criança e você era lindo demais pra mim...
Uma covinha fofa apareceu na sua bochecha, enquanto eu me perdia olhando seus lábios, feito uma boba, então aí você sabia que eu já tinha perdido o jogo faz muito tempo, e você deu um sorriso de ganhador, que eu queria mudar por vários motivos e de várias formas, e como eu era uma lutadora, eu fingi que nada tinha acontecido, e enquanto você desesperadamente tentava encontrar a minha mão, eu estava tentando encontrar um guardanapo, só pra disfarçar meu riso...
Então ambos cometemos um erro, o maior erro, nós lhamos um pro olho do outro no mesmo momento, completamente despreparados pra os raios que passavam por eles enquanto a tensão ficava cada vez mais densa.


Ver meninos me encarando enquanto ficávamos deitados na areia sempre era engraçado, em parte, a parte engraçada era ver você olhando feio pra eles, com cara de assassino; a parte sem graça era ter qualquer outro menino me olhando, quando eu só deixava você ter essa ousadia.
Cada dia mais eu marcava seu nome em mim, na minha boca, na minha mente, então realmente eu não via o porquê de tanto ciúme, não que eu não gostasse...
E olhar pra você era meu prazer pessoal, principalmente quando você não percebia isso, pra você não ficar metido... O sol batendo pele, fazendo relevo nas suas formas, era como se eu tivesse o melhor brinquedo de todos, e era o meu preferido.




[Ele]
Você me deixava muito constrangido, não do jeito literal, mas o jeito que você pensava, isso me deixou preocupado com o decorrer das coisas quando a gente foi pra sorveteria...
Mas quando eu vi você sorrindo me deu vontade de beijar sua boca rosada, agarrar seu cabelo e fazer você esquecer até seu nome. Mas eu tinha que me controlar até você me dar os sinais que queria isso também.
Então eu comecei a prestar atenção ans outras coisas... Como a sorveteria era bonita, as cores marrons e brancas, que nem seus olhos, tão bonitos com os cílios bem grossos, combinando com a boca e as bochechas macias... Droga! Pára de olhar! Pára! Pensa no frio, pensa no frio... Mas ela deve ser tão quentinha... Pára! Por que você não se controla? Peguei na sua mão insconscientemente, e você me olhou com aquela sua timidez, ficou vermelha e sorriu, eu retribuí sorrindo, sabendo que você talvesz me quisesse, deixando o orgulho encher meus pulmões...
Num momento olhei pra você, no mesmo instante que você me olhava de volta... Ficar sem ar é uma definição pequena pra o que eu senti olhando seus olhos, por mim naquela hora eu tinha jogado aquela mesa de lado, te pegado nos meus braços e beijado, mas você morreria de vergonha, então eu esperei mais um pouco...


Por que tinha que ter tantos idiotas naquela praia? Deviam ir procurar alguma garota solteira, ela era minha! Mas eu tinha que admitir, pelo menos eles tinham bom gosto, ela tava linda! Não devia sair assim pra praia, era perigoso porque eu podia acabar tendo um infarto...
Acho que era isso que ela queria, que eu morresse! A idéia era cômica, mas dizer isso pra ela significaria uma briga, uma bem divertida, em que ela tentaria ser forte e malvada, mas pareceria um filhote de gato arrisco...
Eu babava em cima dela, literalmente, acho que ela não me achava tão bonito, mas eu achava ela linda! Tentava saber o que ela olhava por trás dos óculos escuros, mas eu não via nada além de outros caras na praia... Se ela tivesse olhando pra eles, eu ia ficar muito irritado e bater em alguns deles, talvez, porque ela ficaria chateada...

quarta-feira, julho 07, 2010

Sparkles

Podia contar cada esperança em meu coração:
Esperança de um dia ser uma ótima médica.
Conseguir fazer a residência que eu quiser onde eu quiser.
Poder amar pra sempre algo.
Poder amar alguém pra sempre.
Esse alguém que eu amar me amar de volta.
Ter uma casa grande com um monte de cachorros e gatos.
A cada dia ser mais feliz.
Morar num lugar onde o céu seja lindo à noite e de dia, pra eu não me entediar de lá.
Juntar todos os amores da minha vida no meu coração sem briga um dia.
Aprender a dar e receber.
Comprar a roupa perfeita.
Ter os sapatos e a bolsa perfeita.
Me acostumar com minhas mudanças constantes de humor e paixão.
Aprender a tocar violão.
Dançar uma música lenta com alguém que eu amo de verdade, e sentir o momento se estender pra sempre.
Cantar uma música que eu amo pra alguém que eu amar dormir.
Viajar e ver o mundo inteiro, cada pequeno bosque enevoado, cada duna, cada reflexo dourado do sol e prateado da lua.
Morar perto dos meus grandes e eternos amores.
...

Muitas mais esperanças...
Se cada uma delas fosse uma estrela, elas seriam mais incontáveis que no céu noturno...
Por isso eu digo que não conto.
Eu deixo elas brilharem, tanto que me cegam, tanto que cada dia mais eu me perco nelas, e me sinto cada dia mais presa ao chão e mais voadora.
Deixo elas brilharem forte, até quando se tornam realidade, pra minha noite brilhante se tornar dia ensolarado, e ser dia e noite em mim pra sempre.
Borboletas para sempre,
Lívia.

terça-feira, julho 06, 2010

MEU BLOG!

Eu andei muito preocupada com o andamento do meu blog. Muitas pessoas citando postagens que eu tinha feito, dando dicas e etc... Não que eu não agradeça a cada uma delas, mas me deixou muito confusa, porque eu não tenho lá muita confiança em mim e no que eu faço, então um comentário me deixa muito pra baixo.
Acabei fazendo uma "enquete" sobre o meu blog, abordando de tudo nele... Resumindo, não acabou bem, todo mundo dizia algo diferente e no fim não era nada do que eu queria, então eu tomei uma atitude, estou fazendo as postagens sobre o que eu quero, mesmo que seja uma "besteira", mas é uma coisa que eu tenho ue escolher, ora bolas!(Essa foi pra minha mãe!)
Finalmente eu criei coragem e agora esse blog é meu! Romântico, bobo, cruel, infantil, colorido, preto-e-branco, ignorante, delicado, fofo, bruto, em constante mudança, sempre igual, anti-romântico, e muito atual.
É meu, por isso que eu troquei o nome.
E bem vindo ao Anéis de Prata!

Borboletas para sempre,
Lívia.

segunda-feira, julho 05, 2010

Apontar

O roxo escuro com pontos brancos brilhantes me encarava
Suas cores me deixando maravilhada, como sempre.
Então eu olhei pro lado, vendo as formas como algodão
formando imagens engraçadas e escuras.
Ameaçando cair sobre mim.

E o vento levou tudo pra longe,
menos meu espírito, que continuou lá um bom tempo.
Sacodindo meu cabelo para todos os lados
enquanto algo molhado tocava meu rosto,
levando todas as minhas máscaras.
Deixando aqui a garota, meio menina meio mulher,
a encarar as estrelas de noite,
pensando na sua grandeza e pequenez,
e em sua própria grandeza e pequenez...

Lyrics... All about a old and new love...

O cheiro de pipoca quente do microondas,
de brigadeiro recém-feito 
do perfume que você adora usar;
 voltando do passado pro ar,
toda vez que eu lembro daquele dia.

Quando naquele segundo você mudou,
ficou brilhante, lindo,
acho que foi o amor...
Eu sorri pra você, e você percebeu
que era aquela a nossa hora
 foi a primeira vez que eu provei teu sorriso,
daquele dia em diante você era meu.

 E por muito tempo a gente ia dormir pensando um no outro
rindo em cada pensamento.
E em cada momento juntos,
a Terra movia mais rápido.
e você me levantava no chão,
sempre feliz por estar nos seus braços.

Mas alguma coisa mudou,
de repente você não estava lá.
Eu estava sozinha, sem você.
Decidi me isolar.
A cada passo que eu dava,
dava pra ver a sua sombra no meu olhar.

Você é como os rios do sertão,
vai e eu sempre sei que vai voltar.
Mas eu sou como a planta na margem 
que seca no verão.
Preciso do seu toque no meu rosto
pra poder bater meu coração.

Ainda me lembro como tudo começou...
Foi quando naquele segundo você mudou,
ficou brilhante, lindo,
acho que foi o amor...
Eu sorri pra você, e você percebeu
que era aquela a nossa hora
 foi a primeira vez que eu provei teu sorriso,
daquele dia em diante você era meu.

sexta-feira, julho 02, 2010

Eu X Mundo

O que é pior? Deixar a sujeira do mundo e a perversidade criarem um escudo entre você e ele ou jamais se inquietar por isso e se sujar ou se magoar?
Estava pensando esses dias, em como eu mudei de uns tempos pra cá, ou em como eu deixei o mundo me mudar, a vida tirar minha inocência(na falta de uma palavra mais adequada), o jeito que eu via as pessoas...
Costumava ser bem mais boba, acreditava muito mais na bondade humana, na verdade nas palavras das pessoas... Agora eu sou simplesmente mais uma pessoa com medo da vida.
Outra coisa que me fez parar pra pensar foi a possibilidade de um dia, num futuro distante, ter filhos... Como colocar uma criança num mundo como este, onde tudo que se espera é dor e sofrimento?
Pensar nas pessoas de certa forma, e essas mesmas pessoas acabarem por te magoar, mesmo que por fazerem algo que você considera errado, como magoar outras pessoas na sua frente, e você não poder fazer nada...
Mundo doido, onde tudo sempre tem um certo quê de maldade... Ou quase... O que me dá esperança é o brilho nos olhos das pessoas puras de coração. Um sorriso sincero, o amor verdadeiro(esse é só esperança, alguém me diz onde encontrar algum desses?), no doce cheiro de plantas vivas e no bater de asas de borboletas...

Borboletas para sempre,
Lívia.