segunda-feira, setembro 27, 2010

Lágrimas...

E a menina abriu os olhos pro mundo de vez, e dessa vez perdeu grande parte da sua inocência. Percebeu o quanto as pessoas são maldosas, o quanto um momento infeliz pode ser usado contra ela e como a vida pode ser triste às vezes... O quanto ela às vezes só quer um colo da mãe e chorar desconsoladamente, porque ela simplesmente não entende porque tudo é tão complicado...
Ela quer que tudo se resolva, que ela sorria de novo de verdade, faz tempo que ela não sorri.
Traz meu sorriso de volta, mundo, me traz de volta... Pior que apesar de todos os motivos, a menina não entende porque o sorriso foi embora. Ela sempre sorriu, apesar de tudo. Mas hoje ela não sorri mais... Ela só queria chorar um pouco, mas aparentemente não tem mais tempo pra isso...
Queria a menina ter tempo para lágrimas...

sábado, setembro 25, 2010

Romance

Não sei se já citei sobre meu estilo preferido de livro( e se vocês ainda não notaram pelo que eu escrevo): Romance Romântico.
Acho muito bela a forma do autor retratar os sentimentos, o amor principalmente. O jeito dos personagens se dedicarem um ao outro de forma completa e mesmo assim conseguir multiplicar sua vida. A forma como o mundo abraça os amantes, mesmo contra tudo, de certa forma o sentimento vence, porque ele é marcado nas páginas e é sempre o que mais importa.
Eu acho tudo isso lindo e louvável, terminei de ler mais um livro romântico e me peguei pensando na personagem principal... Era uma garota metida que acabava se apaixonando por um garoto metido e os dois deixavam de ser metidos(bla bla bla)... O livro não foi lá essas coisas, mas é sempre a mesma história: menina se apaixona por menino e vice-versa e eles mudam juntos e não conseguem parar de pensar no outro e ficam juntos para sempre... Mas e a garota que não se imagina mudando por alguém nem dedicando sua vida inteira a outra pessoa? Essa garota tem apenas que se conformar que nunca será a protagonista de uma história de amor...
Não desejo o amor com todas as forças da minha alma. Eu já amo. Amo minha mãe e mais algumas pessoas da minha vida. Mas não sei, parece linda essa coisa de amor romântico... Acho que é mais curiosidade do que desejo... Mas, como dizem: A curiosidade matou o gato!
Borboletas para sempre,
Lívia.

quarta-feira, setembro 22, 2010

DESPENTEIAAAAAAAAAAAAAA-AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA!

É complicado me ver com o cabelo perfeitamente penteado quando está solto... Raramente faço escova, o pentear meus cabelos do jeito que eles são, cheios de vida(cheios é a palavra ideal) e rebeldes como quem os têm. Adoro sentir o vento no meu rosto e jogar minha cabeça pra trás e senti-lo balançando... É uma sensação realmente incrível... Porque tudo que é bom, despenteia. Um bom beijo, um bom abraço, sair com os amigos, dançar, apenas correr na direção do sol...
Acho que a maioria das pessoas me considera mais bonita meticulosamente penteada, mas, e quem liga? Eu anseio viver a vida despenteando cada vez mais meus cabelos. Portanto, pessoal, despenteia e me deixem despenteada!
Alguma foto minha com o meu cabelo perfeitamente arrumado? Te desafio a encontrar...
 
Borboletas para sempre,
Lívia.
re-cortecultural.blogspot.com

terça-feira, setembro 21, 2010

Posso dizer que te quero bastante...
É teu cheiro, teu sorriso, o teu jeito, ou algo mais?
Sinceramente não sei, mas é alguma coisa...
Acho que é isso...
Eu te quero e não consigo parar de imaginar você e eu.
Isso está me deixando nervosa...
A sua boca é realmente lasciva, ou é seu sorriso...
Affe!
Não importa!
bubukawords.blogspot.com
Só sei que te quero...

sábado, setembro 18, 2010

Segunda parte

Ele entra pelo quarto cheirando a sabotene enquanto ela, deitada na cama dele com o lençol cobrindo o corpo e o travesseiro no rosto se lembra que meia hora antes estava apenas reclamando da péssima programação da televisão e agora estava nua na cama do namorado...
-A luz tá incomodando? Quer que eu desligue? Dá pra eu trocar de roupa no escuro mesmo... -Ele
-Nãaaaoooo. Não tá incomodando. -Ela
-Então porque você tá apertando esse travesseiro na cara?
-Por nada...
-Você está arrependida? - disse ele, com um olhar dolorido e aflito na cabeça baixa.
-Claro que não! -Disse boquiaberta.
-Então o que foi? Não gostou de...?
Quando ela entendeu exatamente o que ele dizia ela transformou a surpresa em carinho.
-Bem, se esse é seu jeito sutil de perguntar se foi bom... Bom, não tenho experiência suficiente, na verdade nenhuma, para comparar. Mas eu acho que não... -A expressão dolorida dele se tornou mais intensa durante a pausa dela- ...Não sei nem descrever, então vou usar um "perfeito" ou "maravilhoso"...
O sorriso dele apareceu de novo enquanto levantava o rosto para olhar o dela, um sorriso desconhecido para ela, malicioso e com um toque de prazer, que fez ela corar e jogar o travesseiro de volta no rosto.
-Sério, por que você está desse jeito?
-Bem -disse ela tirando a almofada- é que eu... Eu tô com vergonha... -disse ficando vermelha (e linda pra ele) e colocando o travesseiro no rosto, para, como ele descobria, esconder a vergonha..
Então ele sentou-se na cama ao lado dela, tirou o travesseiro e a beijou. Carinhoso e sedutor, com uma paixão forte o suficiente para fazer ela se sentir segura, amada e, por incrível que parecesse pra ela, ainda desejada. Quando ele parou, ambos estavam sem fôlego.
-Por que ter vergonha de mim? Se devesse ter alguém com vergonha, seria eu, porque simplesmente não consigo parar de querer você... -disse isso levando a mão ao rosto dela e afagando suavemente- Tão linda...
 Levando a mão depois ao pescoço, descendo ao seu corpo, contornando as curvas por cima do lençol, maravilhado pelas formas e sombras. Ela se encantava com a expressão dele, como que deslumbrado, e crescia seu carinho por ele. Enquanto ela mesma o observava, seu abdômem desenhado, não como de academia, mas muito mais que um homem normal, braços fortes, costas largas e bem-desenhadas, era difícil resistir ao impulso de tocar, sentir como era mais uma vez o toque da pele dele. Então ela se levantou e o abraçou, sentiu o calor dele, o cheiro de perfume que era uma mistura boa de praia e loja de roupas.
Quando ele retribuiu o abraço, ela percebeu que o tecido entre eles tinha deslizado até sua cintura, estavam os dois em contato de novo, os arrepios de novo por toda a pele...


Continua...

 -
Ele é Diego, ela é Laila. Tudo começou com um sorriso para uma amiga, que se tornou um abraço para um amigo, que se tornou um beijo num novo amor... Mas para quê falar do passado? O importante na história é que eles não têm passado, não mais, não a partir do ponto que o sorriso se tornou abraço e beijo.
Este é um exceto meu, da Narradora, intervir na história. Porque romance não seria um romance sem alguém para contar.
Dou-me o trabalho de contar essa história de romance (ou de amor) porque é a mais linda que já ouvi, não por ser perfeita em extremismos, ou por ser empolgante em suspense e brigas. Essa história é linda porque o amor é demonstrado por ser, não aquilo que a maioria pensa, mas é mais que isso, mais do que tudo que eu disse...
Complicado, não? Mas ao longo da história você entenderá...
Outra coisa que eu deveria dizer é que eu vou comentar alguma coisa sempre que eu achar relevante, mas na maior parte do tempo vou somente narrar. Portanto não sintam minha falta, sempre estarei presente.

sexta-feira, setembro 17, 2010

Cabe a cada um entender...

Queria escrever algo bem sincero aqui, mas não dá porque ainda deixo meu bebê com acesso público... Vou tentar fazer isso de forma subliminar, para que só algumas pessoas entendam...
Sim, é isso mesmo. Nao posso nada... Parece que tem mente própria (...) não mudo nunca mesmo...
Bem, pra quem entendeu, que bom(e estou morrendo de vergonha). Pra quem não entendeu, que pena, porque se eu falasse com todas as letras eu teria que apagar esse blog...

quinta-feira, setembro 16, 2010

Perfume

O cheiro do seu perfume ainda me deixa inebriada, não que você seja perfeito ou o cara mais belo, mas eu gosto de você, você me faz rir e corar, e seu perfume é qualquer coisa sem sombra de dúvida...

quarta-feira, setembro 15, 2010

Tudo o que eu quero na vida, é tudo que eu quero, um sorriso, uma braço, uma fatia de queijo minas...
Diferente das flores, são os amores que as cores sempre se avivam com o tempo.
A mudança do meu estado de espírito é como um banho de sol após um dia triste e frio de inverno, como a primavera dos meus tempos. Cada dia que passa encontro mais motivos pra sorrir e me encantar com a esperança em mim. Mas, como o sol forma sombras mais fortes na primavera, minhas tristezas e amarguras aumentam a cada dia, me deixando mais consciente de que, como uma criança, quanto mais alto eu grito, mais querem me calar.
Quando foi mesmo que nos disseram pra lutar pelo que queremos? Não lembro se também disseram que eles, os mesmos que nos pediram pra lutar, negariam tudo aquilo que ansiamos... A cada sol novo eu me preocupo com estar ficando mais apática, mais perdida num mundo estranho e sem verde nenhum pra me salvar...
Queria que as pessoas que foram escolhidas pra segurar minhas mãos se preocupassem mais comigo, olhassem mais pra mim, a pequena garotinha perdida no supermercado, tentando encontrar a saída, e com medo desse mundão aí fora, por enquanto eu só choro agarrada com meus bichinhos de pelúcia, rezando, porque a fé é ainda a única coisa que me resta...
Borboletas para sempre,
Lívia

Amor...

Te amo pra sempre e até depois...
Comecei a te amar quando ainda era um bebê, pequeno, fofo e muito aberto à vida, e você se tornou parte do meu mundinho pessoal...
Os anos se passaram, sempre você e eu, mesmo quando meninos odiavam meninas e vice-versa, eu te amava, você era meu único menino, eu era a sua preferida, e eu adorava quando você morria de ciúme do seu irmão mais velho porque ele buscava a gente no colégio e eu era meio apaixonada por ele...
Teve um tempo que a gente se separou... Eu andava triste e você andava sozinho, você repetia no colégio e ficava de castigo e eu simplesmente não conseguia me encaixar, só com você... Sentia muito sua falta e não sabia se você ainda se lembrava de mim, mal sabia eu que você e eu sempre estaríamos ligados, mesmo distantes...
Um dia tudo voltou ao normal, quando nós já estávamos acostumados a passar vários meses sem sequer nos vermos, e quando nós víamos não conseguíamos voltar àquele jeito de antes, tão unidos...
Foi ela, nossa mascote que nos trouxe de volta, com uma simples palavra dela nós saímos juntos, só nós 3, e voltamos ao que éramos, e passamos meses assim, juntos e como antes, e até mais...
Um dia estávamos os 3, naquela sala, a nossa sala, a sala dos 3... Eu tinha dado permissão a ela pra ficar com você, eu não sabia de nada naquela época, era boba demais... Um sorriso, um comercial e tudo mudou, a gente estava como devia, e tudo parecia ter se encaixado no lugar certo no mundo. Eu prometi sorrir, e você prometeu mudar, nós prometemos não nos machucar...
Eu virei você e você virou eu, eu te machucava a cada sorriso e cada cara, e você me machucava porque se importava e nunca dizia o quanto, fingindo ser forte, mas tolice sua, eu via seu sorriso amargurado e me sentia pior porachar que você fazia por não querer... Eu devia ter parado, você devia ter parado de fingir...
Um tempo depois, você que era sempre tão desleixado com os estudos, voou pra longe, pra onde as meninas são fáceis e eu não era dois passos de um abraço. Todo meu mundo desabou em cima de mim, e aguns dias depois eu já tinha secado todas as lágrimas que eu tinha... Estava cansada de conversas pelo Skype e sentia falta do seu sorriso. Mal sabia eu que você também... Melhorei meu inglês, e você também. Você conheceu outras "línguas" e eu também. Você atravessou a linha e eu fiquei deste lado. O pequeno bebê chegou e eu fiquei encantada, mas magoada ao mesmo tempo, e você por um tempo só conseguia pensar em fraldas e mamadeiras e divórcio. E você parou de visitar por uns tempos, me deixando com a mesma bola na garganta que eu tive quando você se foi. Tentei passar meu tempo, me fingi apaixonar, tentei que ele fosse igual a você, gostasse de música e tocasse violão, e fosse engraçado e carinhoso, me conhecesse melhor que ninguém, amasse o que fazia e já estivesse vivendo a vida ao máximo, do jeito que eu considerava o máximo, mas ele não era isso, e eu só conseguia pensar em você...
Chorei por descobrir isso, e você voltou, e eu atravessaria qualquer linha com você e por você, mas você sabia que era errado porque você tinha que voltar e eu ficaria aqui, esperando, você me amava demais pra isso? Cada vez que eu lembrava de você tinah votnade de sorrir e chorar. Então você me chama pra ir com voê, viver a vida e deixar ela viver em mim, não largar nada que eu amo, porque você me ama do jeito que eu sou, com tudo que eu faço, mesmo eu não tendo tempo pra te ver, ou pra ouvir sua voz... E você ainda me quer aí com você, você faria TUDO pra me ter com você...
Mas tudo mudou aqui, eu não posso mudar nada ainda, por mais que eu deseje eu tenho algumas coisas a resolver aqui, antes de ir com você, tudo muda exatamente na hora que eu decido agarrar sua mão e partir... É por isso que eu escrevo isso, pra você saber que eu te amo, mas não posso ir, nem agora nem em muito tempo, muita coisa está em jogo e eu preciso ficar pelas pessoas que eu amo... Sinto muito, mais do que minhas lágrimas possam expressar, mas eu te amo, muito, e um dia eu vou estar aí com você, porque nosso trio não poderá ser o mesmo porque nosso mascote foi raptado, mas você ainda tem a mim. Sinto sua falta sinto sua falta, SINTO SUA FALTA. Meu amigo, meu irmão, meu coração.
Sempre vou me lembrar das nossas borboletas, apesar deque ninguém jamais me entenda quando eu digo o que sempre digo...
Borboletas para sempre,
Lívia.

segunda-feira, setembro 13, 2010

Cabelos presos e soltos

Quando era criança odiava prender os cabelos, pra mim tê-los soltos em meus ombros demonstrava minha aversão a grilhões, eu jogava eles pelas costas e mexia na franja como um medalhão da liberdade de espírito que eu já havia conseguido desde pequena.
Hoje eu uso meu cabelo preso motivo, meu cabelo meio preso meio solto, os fios tocando meu rosto, da forma mais incomum hoje em dia. Meus olhos abertos e minha boca pintada de batom, como uma menina que pega emprestada a maquiagem da mãe.
A menina que deixava o cabelo solto é a mulher que prende, porque não quer se prender ao mundo. Quer o amor e quer amar, quer ser feliz e dar felicidade a quem ela ama, adora sorvete e se acha acima do peso, beija seus amigos no pescoço e diz que ama suas amigas como irmãs, pra sempre.
Quem sou eu agora?
Eu sou o sorriso do gato de Alice, eu sou a cantora menina, que gosta do backing-vocal, eu sou aquela que gosta de Tim Burton e que ainda faz tranças no cabelo,  atrás de borboletas e sobra bolhas de sabão. Eu sou quem ama de verdade se você merecer e odeia de verdade se você não merecer, que fala alto demais, mas gosta de ler e escrever em silêncio...
Borboletas para sempre,
Lívia

Cabou, finalmenteeeee!

Acho que descobri a causa da minha melancolia... (EBA!) Acho que foi a falta de filmes, eu andava vendo poucos e ruins e tirei dois dias para ver filmes direto(direto=nas 3 horas que eu não to tendo aula). Foi MUITO divertido, estou nas nuvens, acho que acabo esquecendo que tenho que viver e ter lazer além das obrigações(em obrigações se inclui muita coisa que aparentemente não é obrigação). Acho que é isso, só posso dizer que estou com sorriso de orelha a orelha e to bem, mas muito e intensamente alegre e a-melancólica(neologismo, UHUL!).
Borboletas para sempre,
Lívia.

domingo, setembro 12, 2010

Melancolia

A melancolia não combina comigo, de jeito algum. Me transforma em algo que eu não sou, algo apático demais, sofredor demais, triste demais... Essa não é minha vida, minha vida é aos sorrisos. No momento não consigo controlar a melancolia, e ela está me deixando irritada. Desculpa às pessoas que eu estou magoando no processo, desculpa mesmo. Vou tentar jogar a melancolia pra PQP e dar mais um sorriso daqueles...
Mas por enquanto dexa eu aqui comendo doce na frente da TV pra ver se me alegro...
Borboletas para sempre,
Lívia.

sexta-feira, setembro 10, 2010

Sou teimosa demais...
Alguém aí me diz por quê?
Aproveita e me diz porque exatamente as poucas coisas pelas quais eu corro atrás são as coisas que eu não consigo, ou consigo tarde demais...
Sério, to procurando respostas que serão bem-vindas, e quanto mais urgentes, melhor...

quinta-feira, setembro 09, 2010

O meu cinza e os meus sons sombrios, tão mais coloridos e alegres do que imagina!

Queria dizer algo sincero sobre mim aqui hoje, acabei postando a poesia, mas ficou faltando um algo mais...
Estou ouvindo várias músicas diferentes, estou encontrando melhor meu estilo, estou me diferenciando...
Lilly Allen, Jack Johnson, Jamie Cullum, Leona Naess. Pop, surf, Jazz e alguma coisa que eu não sei identificar, mas é parecido com Norah Jones(jazz?)...
É interessante me ver evoluindo dessa forma, porque eu acho que se encaixa bem comigo, sou muito do jazz, do soul, da jeito enebriante que a alma se junta com as palavras, formando uma densa nuvem enquanto se canta e toca com a voz macia e aveludada. Acho que faz parte de mim.
Demonstrando minha personalidade... Se eu fosse definir tudo isso de uma forma simples, seria: macio. Que é o que eu ando almejando de mim mesma, a calma e a ponderação nas coisas simples, especialmente no amor, especialmente no cinza-roxo do blog, especialmente na amizade e no carinho...
Então Leave you boyfriends behind comigo, e anda de bicicleta comigo pelo dia ensolarado de verão, com meus vestidos floridos e meus cabelos soltos em quase-cachos lisos e minha maquiagem quase-sem, pinta as unhas de vermelho e dê muitas mordidas em todo mundo que você ama comigo. Diga que ama, muito e a muitas pessoas que você ama. Curta as cores enquanto você é jovem! O blog pode ser cinza, mas para mim é colorido, é apenas o plano-de-fundo de tudo, como a vida em si, se não trabalhada vira algo sem cor, você tem que preencher com o roxo das suas palavras e as outras cores das coisas que você faz dia-a-dia!
Muda comigo, e vive feliz e sorrindo pra sempre!
Vem comigo?
Borboletas para sempre(as belas e azuis e coloridas borboletas para sempre!),
Lívia.

kissofkiss.blogspot.com

Poesia sobre alguém, quem sabe...

Não sei o que sinto.
De repente eu te vejo,
não sinto nada.
De repente eu te vejo,
e sinto tudo que não devo.

Não sei porque isso,
é complicado principalmente explicar...
Só sei que um dia te vi
e tive vontade de te beijar.

Essa poesia pode ser boba,
eu até poderia melhorar.
Encher de rimas ricas
só pra te impressionar.

Mas não farei isso,
porque se você gostar de mim, seu xato,
e me conhece melhor que a maioria
vai saber que eu escrevo a fim de (fato)
fazer com que você sorria...

(Pra quem não entendeu, só último parágrafo foi com rimas ricas...)
http://gustinha.blogspot.com/2010/05/historia-de-manu.html

segunda-feira, setembro 06, 2010

Debruçada na janela no quarto vazio da casa de um amigo, durante uma festa...

Eu vou ser sempre a garota estranha... A que gosta de ficar sozinha no silêncio quando todo o resto está do lado de fora rindo de alguma bobagem e bebendo por algum motivo que ela desconhece. A que gosta de abraçar seus amigos e nunca beijá-los na boca. A que gosta de ficar meditando. A que fala alto, mas não por gostar e sim por ser algo inerente a ela. A que sorri e manda beijos, pra que quem ela gosta sempre saiba disso.
É, essa sou eu... Creio que não vou mudar tão cedo, se contrariando a probabilidade mudar.
Eu gosto de ser quem eu sou. Não ligo por ser diferente. Só ligo quando as pessoas me julgam por isso.
Ora bolas! Deixa-me uns minutos em silêncio! Não força a barra comigo! Não quer dizer que eu não goste de você ou seja enjoada só porque gosto de ficar solitária de vez em quando. Quer dizer apenas que eu gosto de me refestelar com o silêncio. Se aguenta comigo no silêncio, apenas observando o mundo e pensando, vem comigo. Mas se não, apenas não pode embarcar na viagem comigo.
E lá vou eu sempre sendo repreendida por ser como eu sou. Acho que eu cansei disso. Acho que estou à beira de mandar todos tomarem naquele canto. Afinal, todo mundo é diferente e estranho de alguma forma. Deixa-me ser, que assim seremos dois...
(Aguardando ainda alguém que seja como eu, pra gente dividir momentos de meditação juntos... Se estiver aí, me avisa...)

domingo, setembro 05, 2010

Muito mais por trás desse post...

Me afeiçoei demais a isso... A postar. Não é um vício, nem chega perto disso. É mais uma extensão de mim, algo que eu não consigo ser normalmente: A Lívia que escreve, a menina com opiniões e desejos, que sonha e ama e sofre mais do que aparenta e finge para não ser frágil, a pessoa que tem um mundo perfeito na mente e quer que o real seja igual. Esta sou eu aqui, a parte mais escondida de mim. Tanto que só mostro a algumas pessoas, e às vezes me pega de surpresa um amigo que comenta sobre ele pra mim.
Cada pequena mudança nele é uma mudança em mim, um amadurecimento, um sorriso ou um dia feliz que tive, uma briga ou uma decepção. Ele muda comigo, ele me muda, e nós mudamos juntos.
Ele agora não é só mais meu, ele sou eu e não sou eu. Ele vive fora de mim, e isso me assusta.
Vou mudar ele, acho que o layout, colocar algo cinza, esteticamente fica melhor com as figuras quase sempre coloridas que eu amo, e também com o PB...
Quero que ele seja melhor que eu, mais bonito, mais interessante e mais legal...
Mesmo que um dia eu pare de escrever aqui, sempre fará parte da minha vida, sempre será eu...

cafedafranky.blogspot.com/

Qui o in un altro posto, che può essere brutto o bello. Se noi staremo insieme ci sarà sempre un cielo azzurro.

"Aqui ou noutro lugar, que pode ser feio ou bonito. Se nós estivermos juntos haverá um céu azul."
É isso que tem escrito na frase acima... Vi no orkut de um amigo essa frase e tinha que comentar...
Italiano é uma bela língua. Esse tipo de amor é algo invejável, de um jeito bom e sincero. O céu jamais será tão azul quanto quando você o vir pela última vez. A vida passa e é esse tipo de coisa que eu busco. A simplicidade do mundo, um amor forte e verdadeiro, as cores da vida e a busca de um paraíso aqui mesmo onde estamos, nem que seja irreal, mas que nos faça sentir como estar lá...

sábado, setembro 04, 2010

Desejo

É meu estilo mesmo... Eu desdenho o que eu adoraria ter. Não por me achar superior ou algo assim, mas porque chega a ser tão óbvio que eu quero aquilo que ficaria até piegas eu não desdenhar só um pouquinho...
Ando desdenhando algo DEMAIS... ALgo que eu to querendo muito... Por quê? Eu não sei. Mas só posso dizer que queria tanto que ando sonhando com isso...
Mas eu tenho mesmo é que deixar de ser besta e querer outras coisas...
Pior é que eu sou teimosa...
Pra quem sabe o que é que eu estou falando: Sim, eu ainda estou querendo aquilo.
Pra quem não sabe: É melhor não saber...
Link da foto:http://www.imagensporfavor.com/buscar/28/cora%e7%e3o.htm

Borboletas para sempre,
Lívia